Portas apela ao “consenso” com o PS para reduzir os impostos às empresas

(Foto: ADRIANO MIRANDA)
(Foto: ADRIANO MIRANDA)
(Foto: ADRIANO MIRANDA)

Marques Mendes considera que não passa de “uma questão de retórica” as criticas cruzadas entre o Governo e a oposição.

O vice-primeiro ministro, Paulo Portas, lançou, num encontro de empresários, um apelo ao Partido Socialista (PS) para que se “abstenha de crispação” e colabore com o Governo, no programa de reforma do IRC para tornar mais competitivas as empresas portuguesas.

O repto foi lançado na abertura do trabalhos do II Forúm Empresarial do Algarve, que está decorrer até domingo em Vilamoura, e no qual participam mais de três centenas de líderes políticos e empresarias, vindos desde a China a Angola, passando pelo Brasil, EUA,  Reino Unido, Marrocos e Chile. O presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, na manhã deste sábado, abordará o tema: “Um Portugal Europeu ou Um Portugal Atlântico”.

A redução “progressiva” da  taxa de IRC, diz Paulo Portas, só é possível “por consenso com o principal partido da oposição”. O facto do país viver em regime de “restrição orçamental, não é possível baixar o IRC em dez pontos de um ano para o outro”, justificou.

No entanto, considera que a baixa de impostos, por si só, “não é condição suficiente, mas é necessária para captar investimento”.

Após destacar a importância das exportações para o reequilíbrio das contas públicas, sublinhou o significado politico da alteração das leis laborais. “Foi importante para Portugal passarmos a ter legislação mais flexível, e só pessoas muito fechadas ideologicamente é que não compreendem que importância da economia aberta”.

O ex-lider do PSD, Marques Mendes, à margem do fórum promovido pelo LIDE – grupo de líderes empresariais, comentou a   última avaliação datroika, sublinhando que o próximo Orçamento do Estado (OE) trará mais austeridade, em cima de austeridade. “Vamos ter um OE com bastante austeridade, o mais difícil de todos ”.

Porém, manifestou a opinião de que já não haverá segundo resgate, e em 2015 o OE “já será um bocadinho melhor”. Sobre o pingue-pongue que Paulo Portas tem travado com a oposição acerca desta matéria,  resume o assunto a “uma questão de retórica”, concluindo que estão ambos certos: “Paulo Portas diz que, além do que estava anunciado não há mais austeridade, isso é verdade”. Por outro lado, o que a oposição diz é que “acima da austeridade, vamos ter mais austeridade, o que também é verdade”. E neste jogo de palavras, o que é certo é que vamos “ter aumento de impostos, ou seja, vai manter-se,  e vamos ter cortes na despesa do Estado, que estão anunciados desde Maio”. (publico.pt)

Por IDÁLIO REVEZ

DEIXE UMA RESPOSTA