Poluição do ar causa cancro, diz Organização Mundial de Saúde

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Estudo avaliou todos os poluentes presentes no ar e conclui que os cancros do pulmão e da bexiga podem ser causados pela poluição atmosférica. Investigadores querem pressionar governos mundiais para que tomem medidas para conter poluição.

A poluição atmosférica faz oficialmente parte da lista de agentes cancerígenos, anunciou esta quinta-feira o Centro Internacional para a Investigação do Cancro (IARC), uma agência especializada da Organização Mundial de Saúde (OMS). O estudo da organização revela que a exposição à poluição atmosférica está na origem de cancro do pulmão e da bexiga.

“O ar que respiramos tornou-se poluído com uma mistura de substâncias causadoras de cancro”, explicou o chefe da secção de monografias do IARC, Kurt Straif. “Sabemos agora que a poluição do ar não é só um risco para a saúde em geral, mas também uma das principais causas ambientais das mortes por cancro”, acrescentou.

De acordo com o estudo do IARC, o cancro do pulmão foi responsável pela morte a 223 mil pessoas, em 2010, mais de metade na China e noutros países do Leste Asiático. Contudo, os investigadores alertam que, apesar de a composição do ar variar, as conclusões do estudo aplicam-se a todas as regiões do mundo.

O estudo detectou as principais fontes da poluição atmosférica, destacando os transportes, as estações de geração de energia, as emissões industriais e agrícolas, e o aquecimento e cozinhas domésticas.

“A nossa tarefa era avaliar o ar que todos respiramos em vez de nos concentrarmos em poluentes atmosféricos específicos”, esclareceu a número dois da secção de monografias do IARC, Dana Loomis.

A classificação da poluição do ar como agente cancerígeno deve servir, segundo o IARC, para pressionar os governos de todo o mundo. “Classificar a poluição atmosférica como um carcinogénico para os humanos é um passo importante”, considerou o director do centro, Christopher Wild. “Há formas eficazes de reduzir a poluição atmosférica e, dada a escala da exposição que afecta as pessoas em todo o mundo, este estudo deve enviar um sinal forte à comunidade internacional para tomar acções sem mais atrasos”, concluiu.

O estudo “vem reforçar a necessidade de continuar as políticas de redução do táfego automóvel nas cidades, entre outras medidas”, considera a dirigente da Quercus, Ana Rita Antunes, contactada pelo PÚBLICO. A ambientalista destaca dois problemas fundamentais em relação à poluição atmosférica: “Os países em desenvolvimento, cujas poluição nas cidades tem tendência a piorar, e os países desenvolvidos, que têm medidas para combater a poluição, mas não são suficientes”.

Os decisores políticos têm, na óptica de Ana Rita Antunes, um papel importante a desempenhar no combate à poluição. Referindo-se à influência do lobby da indústria, a responsável afirma que “os lobbies têm a força que os políticos deixam ter”. “Se houver decisões para atacar esse lobby, ele enfraquece”, observa Ana Rita Antunes. “É preciso dizer o que é que é mais importante e, quando se toma essa decisão, que é política, há então muito que fazer”, conclui.

As regiões de mais rápida industrialização são aquelas onde o cancro provocado pela poluição atmosférica tem maior incidência, refere ainda o estudo. (publico.pt)

DEIXE UMA RESPOSTA