Ler Agora:
O país aguarda que o Governo feche o Orçamento do Estado
Artigo completo 2 minutos de leitura

O país aguarda que o Governo feche o Orçamento do Estado

Reunião do Conselho de Ministros decorre desde as 10h. (Pedro Nunes )

Reunião do Conselho de Ministros decorre desde as 10h. (Pedro Nunes )

Como será feito o corte nas pensões de sobrevivência? O IVA da restauração baixará para 13%? A nova tabela salarial da função pública implicará mesmo um corte de 10% para todos os funcionários? Qual será a redução da taxa de IRC? Estas são algumas das perguntas para as quais os portugueses aguardam respostas, no dia em que o Governo está reunido para fechar o Orçamento do Estado para 2014.

A reunião iniciou-se perto das 10h, em Lisboa, e não há qualquer indicação sobre a hora a que o Governo falará ao país. Sobra apenas de sábado o comunicado do Ministério da Solidariedade, Emprego e da Segurança Social a informar que “o Governo, neste domingo, no decurso do Conselho de Ministros, dará uma informação relativa à aplicação de uma condição de recurso sobre as pensões de sobrevivência”.

A aplicação de cortes às pensões de sobrevivência tem estado no topo da actualidade na última semana, com muita especulação sobre de que forma esta medida será aplicada.

O porta-voz do CDS ainda ontem salientou que este corte resultará apenas na poupança de 100 milhões de euros, garantindo que o executivo gastará 2700 milhões neste tipo de apoio social.

Portugal terá de cumprir um défice de 4% no próximo ano, o que significa que o Governo terá de encontrar medidas equivalentes a, pelo menos, 2400 milhões de euros, nota a Lusa.

Algumas medidas que vão constar no Orçamento já foram anunciadas em Abril e Maio, quando Passos Coelho escreveu à troika de credores internacionais.

Entre as medidas listadas na altura, estavam por exemplo o aumento da idade da reforma (270 milhões de euros de poupança estimada), a convergência dos sistemas de pensões públicos com o regime geral da Segurança Social (740 milhões de euros), outras poupanças relacionadas com a convergência das regras de trabalho entre público e privado – como dos subsistemas de saúde – (que acrescentavam uma poupança de 520 milhões de euros), ou a reforma das tabelas salariais e suplementos na Função Pública (poupança de 445 milhões de euros).

O Orçamento do Estado vai ser entregue no Parlamento na próxima terça-feira. (publico.pt)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »