Nigéria: Banco Central defende boas parcerias para melhorias de interesses de África

Governador do Banco Central da Nigéria, Sanusi Lamido Sanusi (Foto: D.R.)
Governador do Banco Central da Nigéria, Sanusi Lamido Sanusi (Foto: D.R.)
Governador do Banco Central da Nigéria, Sanusi Lamido Sanusi (Foto: D.R.)

Paris, França – O governador do Banco Central da Nigéria, Mallam Lamido Sanusi, exortou segunda-feira última em Paris os países africanos a negociarem bem parcerias para a melhoria dos seus interesses.

“Uma das nossas  principais fraquezas nas negociações com os nossos parceiros é que, nós países africanos, enviamos em torno da mesa indivíduos que não compreendem os impactos das questões em discussão. São muitas vezes líderes políticos que vão assinar compromissos desfavoráveis ao continente”, deplorou o governador do Banco Central da Nigéria quando  intervinha durante uma mesa redonda dedicada ao “crescimento, recursos naturais e diversificação económica em África”.

« Se não mudarmos de estratégia, os acordos que assinamos continuarão a ser, durante muito tempo, desfavoráveis para nós”, advertiu Sanusi durante este encontro inscrito no quadro do
13º Fórum Económico Internacional sobre África iniciado segunda-feira em Paris (França).

Sob o lema “Tirar Proveito dos Recursos Naturais para a Transformação Económica”, o fórum iniciou os seus trabalhos com a mesa redonda sobre a posição de Áfricana na nova paisagem económica mundial animada pelo presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD),  Donald Kaberuka, e  pelo secretário executivo da Comissão Económica para África (CEA), Carlos Lopes.

Varios temas foram debatidos nesta ocasiao por participantes provenientes de diversos horizontes, nomeadamente “o futuro dos recursos energéticos em África” e “a tranformação estrutural para uma melhor integração nas cadeias de valor regionais e mundiais”.

“Os recursos energéticos representam mais de 50 porcento da produção de matérias-primas de África, incluindo produtos agrícolas. Apesar de ser um recurso económico difícil de gerir, os hidrocarbonetos podem ser uma vantagem para a transformação económica de África”, sublinha uma nota de apresentação do 13º Fórum.

Vários oradores insistiram na necessidade para África de investir maciçamente na formação dos recursos humanos de qualidade, afirmando que ela será útil na transformação das matérias-primas no continente.

Organizado pelo Centro de Desenvolvimento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE),  o Fórum Económico Internacional sobre África  realiza-se anualmente em Paris, com a participação de todos os atores  envolvidos no desenvolvimento do continente negro. (panapress.com)

DEIXE UMA RESPOSTA