Moçambique: FMI diz que tensão militar é factor de risco para a economia

Logotipo do FMI (Foto: D.R.)
Logotipo do FMI (Foto: D.R.)
Logotipo do FMI (Foto: D.R.)

Maputo – O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou nesta quarta-feira que “uma escalada” da tensão militar em Moçambique poderá ser um “factor de risco” para a economia, mas manteve a previsão de um crescimento de sete por cento este ano.

Moçambique vive a sua pior crise política e militar desde a assinatura do Acordo Geral de Paz em 1992, devido a confrontos entre o exército e homens armados da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), no centro do país.

No final de uma missão de avaliação do panorama económico de Moçambique, o FMI considerou a actual tensão política no país um factor de risco, caso haja uma escalada do conflito, mas reiterou que o país fechará o ano com um Produto Interno Bruto (PIB) “muito bom”, atingindo sete por cento.

“A situação política é um factor de risco, como as cheias o são. Temos de reconhecer que se o clima de insegurança aumentar, pode ter um efeito tremendo sobre o crescimento económico. A linha férrea de Sena (por onde passam as exportações de carvão), localiza-se na área onde está concentrada a tensão”, afirmou Doris Ross.

Reiterando as previsões anteriores do FMI de um crescimento de sete por cento este ano, Doris Ross disse que o desempenho da economia moçambicana em 2013 será impulsionado pela indústria extractiva, nomeadamente as exportações de carvão.

“A economia moçambicana continua alegre e recuperou rapidamente das cheias severas do início de 2013. O crescimento está projectado para atingir sete por cento e para acelerar para 8,3 por cento em 2014, suportado por um elevado nível da actividade das indústrias extractivas, serviços financeiros, bem como transportes e comunicações”, enfatizou a chefe da missão do FMI.

A inflação, assinalou Doris Ross, terminará o ano entre cinco a seis por cento, abaixo da fasquia média definida pelo Banco Central moçambicano, e o défice da conta corrente externa vai atingir 43 por cento do PIB.  (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA