Moçambique: Dinamizar cooperação científico – tecnológica

(jornalnoticias.co.mz)
(jornalnoticias.co.mz)
(jornalnoticias.co.mz)

OS memorandos de entendimento rubricados recentemente entre o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e quatro parceiros seus vão dinamizar a cooperação no domínio da ciência, tecnologia e inovação em Moçambique.

Por outro lado, este vínculo estabelecido entre “Ciência e Tecnologia” e a Confederação das Associações Económicas (CTA), a Associação dos Estudantes Finalistas Universitários de Moçambique (AEFUM), o Laboratório de Reconstrução Social das Comunidades (RLABS) e a Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP) fortifica ainda a cooperação visando o alcance de um objectivo comum: o desenvolvimento das comunidades moçambicanas, segundo entendimento do Ministro da Ciência e Tecnologia, Louis Pelembe, sublinhando a importância deste entendimento.

“Este memorando permite o estabelecimento de mecanismos formais de cooperação entre o MCT, a CTA, a AUEFUM, o RLABS e a ADPP ou de outros projectos de interesse comum, de modo a viabilizarem a materialização de um objectivo reconhecidamente primordial que é a cooperação científica e tecnológica”, disse o Louis Pelembe.

Esta acção levada a cabo pelo MCT vem ainda, segundo aquele governante, responder a um dos desideratos do Governo que é o de expandir o conhecimento e a utilização científico-tecnológica e a inovação, sobretudo para as comunidades, olhando-se estas ferramentas como instrumentos de desenvolvimento.

Esta acção teve lugar no quadro do programa Moçambique Tecnológico levado a cabo pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e que tem como objectivo promover estágios profissionais dos recém-graduados das instituições do Ensino Superior.

Já o programa RLABS visa promover a inovação e o empreendedorismo no seio das comunidades, sobretudo as carenciadas, através da incubação de conhecimentos científico-tecnológicos e inovativos.

Estes programas são financiados pelos parceiros de cooperação do MCT, através do STIFIMO com vista à operacionalização da Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação de Moçambique, na componente de inovação e transferência de tecnologias em Moçambique.

Neste quadro faz parte ainda um outro programa que é das Vilas do Milénio, cujo âmbito é a transferência do conhecimento e das tecnologias para o desenvolvimento comunitário.

Os mesmos respondem aos desafios da Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação de Moçambique que tem como pano de fundo resolver problemas socioeconómicos das comunidades, por meio da capacitação, inovação, transferência de tecnologia e do conhecimento.

É neste contexto que o “RLABS” e as “Vilas do Milénio” estão virados para a capacitação de membros das comunidades em inovação e empreendedorismo para serem o vector da mudança no seu meio.

Para o Ministro da Ciência e Tecnologia, a criação de um ambiente favorável à dinamização da inovação tecnológica, da incubação de empresas, e com impacto nas respectivas comunidades, tem em vista expandir o espírito de empreendedorismo, do auto-emprego e do valor agregado nas diversas etapas de produção, estimulando, deste modo, o saber-fazer para melhor responder às oportunidades de emprego e de negócios, com o fim de gerar renda para as comunidades.

Ainda na visão de Louis Pelembe, a ciência, tecnologia e inovação são preponderantes para o desenvolvimento socioeconómico, mas o sucesso na sua implementação – com resultados rápidos e eficazes – passa pelo interesse em utilizar experiências acumuladas de instituições como a CTA, RLABS e ainda da ADPP no trabalho directo com as comunidades.

“Esta é a razão que nos galvanizou para formalizar o presente vínculo institucional de amizade”, disse. (jornalnoticias.co.mz)

DEIXE UMA RESPOSTA