Machete admite “algum grau de preocupação”

Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete (DN)
Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete (DN)
Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete (DN)

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, escusou-se hoje a prestar mais declarações sobre a situação do relacionamento entre Portugal e Angola, mas admitiu “algum grau de preocupação”.

Rui Machete foi questionado pela comunicação social sobre o atual momento da relação entre Portugal e Angola na casa do embaixador português na Cidade do México, durante uma receção à comunidade portuguesa residente no México, inserida na visita oficial que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, está a realizar a este país.

“Peço desculpa, mas falamos sobre o que vocês quiserem, sobre o México, como é que correu esta iniciativa. Sobre isso [a relação entre Portugal e Angola], o Governo fez um comunicado, que traduz aquilo que pensamos. Não faço mais declarações”, começou por afirmar o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, referindo-se à nota divulgada pelo executivo português na terça-feira.

A seguir, interrogado se está ou não preocupado com este assunto, o ministro respondeu: “Tenho algum grau de preocupação, mas acho que tudo vai acontecer normalmente. Não faço declarações, peço desculpa, não insistam”.

Perante outras questões dos jornalistas portugueses, Rui Machete reiterou que a nota divulgada na terça-feira traduz o “ponto de vista” do Governo português e repetiu que não iria fazer mais declarações.

“Não insistam”, pediu.

Esta cerimónia na casa do embaixador português na Cidade do México realizou-se na quarta-feira à noite, hora local, madrugada de quinta-feira em Lisboa.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, termina hoje uma visita oficial de um dia e meio ao México iniciada na quarta-feira.

Através de uma nota divulgada na terça-feira, o Governo português manifestou surpresa com as palavras do presidente angolano sobre a relação entre Portugal e Angola e reiterou a importância e o “alcance estratégico” que tem atribuído a esse relacionamento bilateral.

O presidente angolano, José Eduardo dos Santos, considerou na terça-feira que “o clima político atual” da relação entre Portugal e Angola “não aconselha à construção da parceria estratégica antes anunciada” entre os dois países.

“Só com Portugal, as coisas não estão bem. Têm surgido incompreensões ao nível da cúpula e o clima político atual, reinante nessa relação, não aconselha à construção da parceria estratégica antes anunciada”, declarou José Eduardo Santos, no seu discurso sobre o estado da nação, na Assembleia Nacional de Angola. (dn.pt)

Por Lusa

DEIXE UMA RESPOSTA