Ler Agora:
Líbia: PM acusa “partido político” de o ter sequestrado
Artigo completo 2 minutos de leitura

Líbia: PM acusa “partido político” de o ter sequestrado

Ali Zeidan, primeiro-ministro da Líbia, foi sequestrado na quinta-feira durante algumas horas (Fotografia © Reuters)

Ali Zeidan, primeiro-ministro da Líbia, foi sequestrado na quinta-feira durante algumas horas (Fotografia © Reuters)

O primeiro-ministro líbio, Ali Zeidan, acusou, na quinta-feira, um “partido político” de organizar o seu sequestro levado a cabo na quinta-feira por um grupo de homens armados.

“É um partido político que me quer tirar do governo de qualquer forma”, disse Zeidan em declarações à televisão France24, sem especificar e salientando que “nos próximos dias” dará mais informações sobre este partido “que organizou o [seu] sequestro”.

“Espero que este problema seja solucionado com razoabilidade e sabedoria”, evitando “a escalada” da violência, afirmou Zeidan numa declaração transmitida pela televisão estatal líbia, após uma reunião com o seu governo e membros da Assembleia Nacional líbia.

Zeidan foi sequestrado na manhã de quinta-feira por um grupo de homens armados quando estava no hotel no centro de Tripoli onde está a residir por razões de segurança.

O governo líbio informou depois que o primeiro-ministro tinha sido levado para “um local desconhecido por razões desconhecidas” por um grupo de homens que se acreditava serem antigos rebeldes.

A Célula de Operações dos Revolucionários da Líbia, antigos rebeldes que denunciaram a detenção do alegado líder da Al-Qaida Abu Anas al-Libi pelos Estados Unidos em Tripoli há alguns dias e culparam Zeidan por isso, afirmou ter “detido” o primeiro-ministro líbio “por ordem do Ministério Público”.

O governo líbio informou, na sua página do Facebook, não ter conhecimento de “levantamento da imunidade ou de qualquer mandado de captura” contra Zeidan.

Mais tarde, a Brigada para o Combate ao Crime, uma divisão da polícia líbia formada por antigos rebeldes, reivindicaram responsabilidade pelo sequestro, segundo a agência LANA.

O governo disse suspeitar dos dois grupos, que estão sob a alçada dos Ministérios da Defesa e do Interior, mas operam essencialmente de forma autónoma. (dn.pt/Lusa)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »