Interdição de Ensaios Nucleares é um dos acordos mais aderidos da história

Lussiana Zerbo - Secretário Executivo da CTBO (Foto: Rosário)

Luanda – O Tratado sobre a Interdição Completa de Ensaios Nucleares é um dos acordos internacionais mais aderidos da história, assinado por 182 países, incluindo cinco grandes potências nucleares, e já foi ratificado por 153 desses Estados.

Lussiana Zerbo - Secretário Executivo da CTBO (Foto: Rosário)
Lussiana Zerbo – Secretário Executivo da CTBO (Foto: Rosário)

A afirmação é do secretário executivo da Comissão Preparatória da Organização para a Interdição Completa dos Tratados Nucleares (CTBTO), Lassina Zerbo, que discursava durante um Seminário nacional sobre o Tratado de Interdição Completa dos Ensaios Nucleares, que decorre hoje, na capital do país, sob os auspícios do Ministério das Relações Exteriores (MIREX).

Na sua intervenção, referiu que, o documento, que interdita as explosões nucleares para fins civis ou militares, foi concluído em 24 de Setembro de 1996 e, Angola foi um dos primeiros países a assinar.

O diploma explicou, que  tem como principais obrigações, que cada Estado participante compromete-se a não realizar qualquer teste nuclear ou qualquer explosão nuclear, e a proibir e prevenir tal explosão nuclear em qualquer território sob a sua jurisdição ou controlo.

O Estado participante deverá além disso, abster-se de causar, incitar, ou participar de qualquer maneira na realização de testes ou explosões nucleares , disse.

Nas cinco décadas seguintes à II Guerra Mundial, um ensaio nuclear abalou e irradiou o planeta, em média, a cada nove dias. Esta era terminou em 1996, quando o Tratado de Interdição Completa de Ensaios Nucleares foi adoptado pela Assembleia-Geral das Nações Unidas.

A Comissão Preparatória para a Organização do Tratado de Interdição Completa de Ensaios Nucleares (CTBTO), é uma organização internacional com sede em Viena (Áustria), que foi criada para elaborar o regime de verificação.

A geofísica e outras tecnologias são usadas para monitorizar o cumprimento do Tratado, designadamente a sismologia, hidroacústica, infra-sons, e monitorização de radioisótopos. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA