FMI: China continuará a abrandar

(Foto: D.R.)

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

O crescimento da economia chinesa, a segunda maior do mundo, continuará a abrandar em 2014, para 7,3 %, indicou na terça-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI), revendo em baixa as suas previsões acerca da economia global.

Pelas contas do FMI, a economia mundial deverá crescer este ano apenas 2,9 % (menos 0,3 pontos percentuais do que a instituição previu em julho) e 3,6 % em 2014 (menos 0,2 pontos percentuais).

“O arranque do crescimento global é lento, os motores da atividade estão a mudar e os riscos de retrocesso persistem”, afirma o FMI no seu último “Panorama Económico Mundial”.

O relatório alerta que “velhos problemas, como um fragmentado sistema financeiro na zona euro e um elevado e preocupante nível da dívida pública em todas as grandes economias desenvolvidas, continuam por resolver e podem desencadear novas crises”.

Nos países emergentes, “por razões cíclicas ou estruturais, os índices de crescimento projetados permanecem muito acima das economias avançadas, mas abaixo dos elevados níveis vistos nos últimos anos”, salienta também o FMI.

Referindo-se especificamente à China, o FMI diz que a segunda economia mundial “está a abrandar”, o que “afetará muitas outras economias”, particularmente as exportações dos mercados emergentes e dos países em vias de desenvolvimento.

Em 2013, a economia chinesa deverá crescer 7,6 %, uma descida de 0,1 pontos percentuais em relação ao ano passado, que foi já o mais baixo da última década, e em 2014 abrandará ainda mais, para 7,3 %, prevê o FMI.

Nos Estados Unidos, o FMI prevê um crescimento económico de 1,6 % em 2013 e de 2,6 % no ano seguinte.

As previsões para a zona euro são mais baixas: uma contração de 0,4 % este ano e um crescimento de 1 % em 2014. (dn.pt)

DEIXE UMA RESPOSTA