Ler Agora:
Finanças Públicas com saldo superavitário em 2011, segundo ministro
Artigo completo 2 minutos de leitura

Finanças Públicas com saldo superavitário em 2011, segundo ministro

Armando Manuel, ministro das Finanças (Foto: Lucas Neto)

Armando Manuel, ministro das Finanças (Foto: Lucas Neto)

O ministro das Finanças, Armando Manuel, afirmou nesta quinta-feira, em Luanda, que o desempenho das finanças públicas em 2011 mostrou-se satisfatório, por ter alcançado um saldo orçamental superavitário, na ordem de 10,6 porcento.

Ao apresentar a Conta Geral do Estado na Assembleia Nacional, o governante explicou que este quadro deu lugar a uma execução da receita, na ordem de 118,9 porcento e uma execução da despesa de 98,4 porcento.

Segundo o ministro, “o aspecto positivo do desempenho das finanças do Estado está marcado também pelo facto de o stock líquido da dívida total do Estado se ter situado a 31 de Dezembro de 2011 em cerca de 31,5 mil milhões de dólares ( um dólar equivale a cem Kwanzas).

Este stock líquido, explicou, equivale a 30,5 porcento do PIB, abaixo dos 34,17 mil milhões e 44,12 porcento do PIB, respectivamente, projectados no OGE de 2011.

“Não obstante a falta de abrangência dos dados dos balanços, por não incorporação das situações patrimoniais ocorridas até 2004, a tendência evidenciada da sua variação entre 2010 e 2011 mostra-se positiva”, reafirmou.

Disse que esta positividade traduz-se no resultado orçamental positivo correspondente a um saldo de 898 mil milhões de Kwanzas, um resultado financeiro positivo, na ordem de 781 mil milhões e um resultado patrimonial positivo de mil e 633 mil milhões.

Afirmou que o presente exercício (apresentação da Conta Geral do Estado) constituiu um marco importante na perspectiva da consolidação das contas públicas.

Todavia, disse terem presentes os desafios que se afiguram para o futuro e acredita que, com este acto de apresentação da CGE, o Executivo criará condições para alargar a qualidade dos dados.

Isto, disse, vai permitir obter números mais sólidos que conduzam a uma tomada de decisão que viabilize um cenário de crescimento e sustentabilidade da economia angolana. (portalangop.co.ao)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »