«Desperdício da geração jovem é quase criminoso»

(Foto: TSF)
(Foto: TSF)
(Foto: TSF)

«Uma riqueza desperdiçada». É desta forma que o antigo reitor da Universidade de Lisboa resume o que está a acontecer aos jovens em Portugal.

Numa altura em que a taxa de desemprego jovem ultrapassa os 40 por cento, António Sampaio da Nóvoa entende que não estão a ser dadas condições para que os jovens fiquem em Portugal.

Em entrevista ao programa “O Estado da Nação”, o antigo reitor da Universidade de Lisboa disse que há muitos jovens que estão a ser forçados a emigrar, defendendo que a geração jovem devia ser mais bem aproveitada pelo país.

«Eu acho que é quase criminoso o desperdício desta geração jovem que nós estamos a fazer. Num certo sentido, é a única riqueza que nós temos, foi este investimento que fizemos nesta geração. E agora, em vez de lhes darmos condições para elas se ligarem ao País, obrigamos esta geração a ir lá para fora», afirmou.

Olhando para a reorganização da rede do Ensino Superior, António Sampaio da Nóvoa assumiu que já não tem grandes ilusões, mostrando-se pouco convicto de que haja uma liderança política capaz de tratar do assunto.

«A reorganização da rede, a meu ver, é absolutamente decisiva e absolutamente central. Portugal não tem condições para ter 15 universidades públicas, 15 politécnicos públicos», sublinhou. (tsf.pt)

DEIXE UMA RESPOSTA