Desacordos quanto à capacidade do Estado angolano de organizar autárquicas

(Foto: AP)
(Foto: AP)
(Foto: AP)

Se há um acordo quanto à necessidade de eleições autárquicas, continua a haver desacordos quanto à capacidade do Estado as realizar.

Isto ficou evidente em mais uma sessão de “Quintas dos Debates” em Angola realizada em Benguela sobre o tema “Autarquias Locais e Participação da Juventude”.

Segundo João da Silva, um dos participantes, a materialização das autárquicas em Angola só teria efeitos positivos se a votação foosse efectivada com um processo claro e justo.

“É necessário que haja eleições autárquicas em Angola” disse, acrescentando que estas têm que ser realizadas de forma “imparcial e que os órgãos de Comunicação Social dêem o mesmo espaço aos participantes”.

Para José Ramos, estudante de direito e também participante, as autarquias em Angola são necessárias mas disse ter dúvidas quanto à capacidade de as eleições se poderem realizar em alguns  municípios onde não existem quadros para a sua organização.

“É necessário que as pessoas se formem, mas ainda não há grande evidência do facto, havendo ainda poucos quadros em vários municípios” disse.

O governo angolano tem ele próprio afirmado que podem não existir condições para a realização das autárquicas, mas a oposição afirma que o Governo receia na verdade perder o controlo de várias cidades e procura desculpas para não realizar as eleições.

Já Mfuka Muzemba, deputado à Assembleia Nacional e palestrante desta semana no espaço de debate, as autarquias são os modelos mais adequados de governação local para atender aos problemas por que passam as populações.

Para ele, as eleições autárquicas são uma oportunidade para a juventude se fazer ouvir.

“Eu penso que é chegada a hora da juventude exigir a realização das autárquicas porque são elas que facilitam a resolução dos problemas das populações e aproximam os governados aos governantes” frisou. (voaportugues.com)

Por Coque Mukuta

DEIXE UMA RESPOSTA