Benguela: Administradora da Baía-Farta reitera apoio aos produtores de sal

Salinas na Baía Farta (Foto: D.R.)
Salinas na Baía Farta (Foto: D.R.)
Salinas na Baía Farta (Foto: D.R.)

A administradora municipal da Baía-Farta, província de Benguela, Maria João, reiterou sexta-feira o compromisso das autoridades locais apoiarem as iniciativas dos produtores de sal, com vista a aumentarem os níveis de produção e diminuírem as importações desse produto marinho.

Em declarações à Angop, no rescaldo do I Fórum Nacional de Produção de Sal, realizado nos dias 17 e 18 deste mês, em Benguela, a responsável sublinhou que há vontade por parte da administração em apoiar os empresários que pretendem aumentar os seus hectares de terra para produção de sal.

“O município piscatório da Baía-Farta é um dos pontos estratégicos para a produção do sal no país e o Executivo pretende transferir para essa localidade toda essa actividade extractiva”, ressaltou.

Por seu turno, a responsável das Salinas Calombolo, Tânia Areias, disse que a sua empresa está a apostar no uso das novas tecnologias para aumentar a produção e refinação do sal.

Já o vice-presidente da Associação de Produtores e Transformadores de Sal de Angola, Odílio Silva, defendeu a necessidade de existir maior interacção entre o governo e os produtores de sal no sentido de se alcançar os objectivos preconizados.

Enalteceu o Governo pela realização do I Fórum Nacional sobre a Produção do Sal, visto que o encontro serviu para traçar estratégias para diminuir as importações do produto, facto que representa uma mais-valia para os produtores nacionais.

Afirmou que as empresas nacionais estão a investir numa produção mais qualitativa e quantitativa de sal.

As autoridades piscatórias na província de Benguela aumentaram nos últimos tempos os níveis de produção de sal de 20 para 40 toneladas do produto, em função do aumento de 100 para 150 hectares de terra em três salineiras.

O Fórum Nacional de Produção do Sal teve como objectivo analisar a situação actual do sector salineiro no país e projectar estratégias que visam o aumento da produção de sal por forma a atingir as metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Desenvolvimento para o quinquénio (2013/2017).

Nesta conferência, o país colheu experiências sobre o processo de extracção e tratamento de sal da Espanha, Namíbia, Brasil e Portugal. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA