Bengo: Polícia intensifica acções para recolha de armas de fogo

(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)
(Foto: D.R.)

Caxito – O comandante provincial da Polícia Nacional do Bengo, comissário Francisco Ferreira Paiva, afirmou hoje, quinta-feira, em Caxito, que a corporação está a intensificar cada vez mais as suas acções operativas de profundidade, visando a recolha coerciva de armas de fogo em posse ilegal de cidadãos.

Ao intervir no acto provincial de encerramento da semana internacional do desarmamento da população civil que decorreu de 23 a 31 de Outubro, Francisco Paiva, disse que essa tomada de medidas permite fazer presente os infractores aos órgãos de justiça para o julgamento sumário, particularmente nos municípios do Dande, Bula Atumba e Pango Aluquém.

O também coordenador provincial da comissão técnica do desarmamento da população civil referiu que a comissão técnica local continuará a fazer a divulgação de todas as actividades sobre o processo do desarmamento da população civil a nível da província do Bengo, bem como montar estratégias no campo de informações para denúncia de armas em posse ilegal dos cidadãos.

Preconizou a realização com os coordenadores municipais de operações conjuntas ao longo das fronteiras ou áreas de provável existência de armas de forma ilegal, assim como continuar com trabalho de sensibilização junto das comunidades ou bairros.

A nível da província do Bengo, Francisco Paiva considerou positivo o processo de desarmamento da população civil, apesar de algumas dificuldades conjunturais.

Salientou que o programa de acção do governo definiu como objectivos a recolha, armazenamento e custódia de todas armas ligeiras e de pequeno porte em posse ilegal de cidadãos.

Este processo, disse ainda o coordenador provincial da comissão técnica do desarmamento da população civil, visa também a redução da capacidade de o indivíduo pensar que é capaz de empreender actos violentos e manter-se impune.

Realçou que a incidência deste programa recai sobretudo aos delinquentes, civis que possuam armas de guerra, militares e polícias que possuam armas de forma ilegal, substituição do tipo de armas de guerra usadas pelas empresas privadas de segurança, bem como a retirada de armas de guerra em paióis e esconderijos ilegais.

Desde a implementação do programa de acção do governo sobre o desarmamento da população civil foram entregues e recolhidas na província quatro mil e 978 armas de fogo de diversos calibres, 23 mil 830 munições, 1.399 carregadores, 496 explosivos, 26 projécteis de lança granadas, bem como a descoberta de dois paióis e esconderijos de armas.

No âmbito deste programa foram instaurados 105 processos-crime, com 178 detidos, tendo sido julgados sumariamente 26 cidadãos, dos quais 24 condenados a penas de dois a oito anos de prisão, dois absolvidos, enquanto 100 processos, envolvendo 147 detidos, aguardam julgamento.

Quatro mil 704 armas de fogo de diversos calibres, 791 carregadores, três mil 272 munições e mil 562 engenhos explosivos não detonados, bem como duas lança granadas, quatro lança dilagramas e um lança roquete foram destruídos no desenrolar do processo de desarmamento da população civil na província do Bengo.

Testemunharam o acto provincial de encerramento da semana internacional do desarmamento da população civil que decorreu de 23 a 31 de Outubro, o coordenador provincial para o processo de desarmamento da população civil, José Armado Campos Major, membros da comissão técnica, do conselho consultivo do comando da polícia nacional do Bengo, magistrados, entre outros convidados. (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA