Bacia do Okavango representa Kuando Kubango na disputa das sete maravilhas de Angola

Rio Okavango (VEJA)
Rio Okavango  (VEJA)
Rio Okavango (VEJA)

A Bacia do Okavango representa a província do Kuando Kubango, na categoria de rios e lagos, na corrida pela classificação como uma das sete maravilhas de Angola. Para a escolha desta beleza natural do país, o público deve enviar uma sms com o código 1 para o número 44567.

A Bacia do Rio Okavango cobre uma superfície hidrologicamente activa com cerca de 323 192 km2, compartilhada por três países da África Austral: Angola, Namíbia e Botswana.

O seu caudal principal resulta do escoamento de planícies sub-húmidas e semi-áridas da província de Cuito-Cubango, em Angola, numa área de 120 000 km², antes de concentrar o seu caudal ao longo das margens entre a Namíbia e Angola, desaguando num leque ou delta a uma altura de 980 metros.

Vários rios confluem num único rio, cujas águas correm para o sul e oriente, ramificando-se novamente  quando desagua no Delta do Okavango, onde termina, numa das maiores concentrações de água doce no interior do planeta.

Faz parte da Bacia do Okavango em território angolano o Rio Cuebe, entre outros rios da província, que se destaca pelas suas características únicos. Em toda a sua extensão tem inúmeras ilhas. Na sua nascente tem águas azuis, cuja imagem é, ao que parece, única no mundo.

Nasce a norte da província do Kuando Kubango, percorre cerca de 250 quilómetros, passa pelo interior da cidade de Menongue, cruza-a de norte a Sul. É um rio com características de caudal permanente, com diferentes espécies de peixe, lontras e jacarés em abundância.

O concurso “sete maravilhas naturais de Angola”, lançado no dia 17 de Julho pela organização “National 7 wonders”, seleccionou as 27 maravilhas das 200 candidatas apresentadas a um conselho científico onde participaram representantes do Ministério da Cultura, Ambiente, Hotelaria e Turismo e outras entidades singulares.

Das 27 maravilhas candidatas para as “sete maravilhas naturais de Angola” constam a Bacia do Okavango, na província do Kuando-Kubango, Barra do Dande (Bengo), as Cachoeiras do Binga (Kwanza-Sul), as Cataratas do Ruacaná (Cunene), as Fendas da Tundavala e a Serra da Leba (Huíla), o Deserto do Namibe (Namibe), o Morro do Moco (Huambo), a Ilha do Mussulo, o Parque da Quissama e o Miradouro da Lua (Luanda). Estão ainda, entre as candidatas, o Parque Nacional da Cameia (Moxico, leste),  o Parque da Cangandala, as Pedras Negras de Pungo a Ndongo e as Quedas de Calandula (Malange), o rio Cuito (Kuando-Kubango), o rio Kwanza (Bié), o rio Zaire (Zaire) e a reserva florestal do Golungo Alto (Kwanza Norte). (portalangop.co.ao)

DEIXE UMA RESPOSTA