África do Sul recebe três biliões de rands para combate ao Hiv/Sida

(DR)
(DR)
(DR)

A África cortou as mortes relacionadas a Sida em cerca de um terço nos últimos seis anos “É a maior concessão que já recebemos do doador multi-sectorial na história da nossa luta contra a SIDA e tuberculose”.

O sol dá sempre um jeito de brilhar até mesmo nas partes mais profundas da floresta.

Isto é uma metáfora para todos aqueles que trabalham para restaurar a esperança e dignidade ao redor do mundo.

Na história da luta contra a SIDA tem sido assim, e ainda existem muitos obstáculos a superar, mas o caminho é claro, e o mundo está a trabalhar em conjunto para obter resultados para todas as pessoas. Foram registados mais de 700 000 novos casos de pessoas infectadas com o HIV em todo o mundo em 2012 do que em 2001. A África cortou as mortes relacionadas a Sida em cerca de um terço nos últimos seis anos.

E como os serviços foram ampliados, a captação seguiu. Na verdade, o que tinha levado uma década antes, agora está a ser alcançado em 24 meses. Nos últimos dois anos, houve um aumento de 60 % no número de pessoas que aderem ao tratamento salva-vidas, cerca de 8 milhões de pessoas estão a fazer o tratamento anti-retroviral.

As descidas, em certos países, da incidência do HIV em populações mostra que investimentos sustentáveis e maior liderança política na luta contra a SIDA estão a mostrar resultados. Em particular os países com programas de prevenção e tratamento do HIV que já mostram uma queda recorde nos níveis de novas infecções por HIV.

Prevenção leva a mudança de comportamento, o tratamento reduz a carga viral de uma pessoa. Ambos reduzem as possibilidades do vírus ser transmitido.

Numa visão global estão registadas 1,7 milhões de mortes relacionadas com a SIDA, cerca de 34 milhões de pessoas conhecem o seu estado serológico existem mais ou menos 2,500.000 novas pessoas infectadas pelo vírus, 14.800.000 é o numero de pessoas elegíveis para o tratamento de HIV mas apenas 8.000.000 estão a fazer o tratamento de HIV. Em Angola, por exemplo, existem cerca de 203.906 adultos infectados com HIV / SIDA no país, a prevalência permanece estável em 2 por cento na população sexualmente activa entre 15 e 45 anos de idade, cerca de18.910 mulheres grávidas seropositivas foram notificados no país, o que é um numero preocupante devido aquelas que ainda recorrem ao parto caseiro transmitindo assim o vírus para o recém-nascido.

A África do Sul, a nível mundial, esta no topo como o país com o maior numero de pessoas infectadas pelo vírus do HIV chegando a 5,6 milhões de pessoas infectadas seguida da Nigéria com 3 milhões e Quénia e República Unida da Tanzânia ambos com 1.6 milhões de infectados. Mas os números vêm a baixar drasticamente graças aos programas de prevenção como é o caso da África do Sul que desde 2001 até 2012 já registou uma queda no número de infectados de 41%.

Mas não é apenas o vírus do HIV que assombra este país. Outro dos grandes problemas da África do Sul é a Tuberculose. A tuberculose continua a ser a principal causa de mortes na África do Sul. Só este ano, o país vai ver 500 000 casos, dos quais cerca de 3% serão resistentes a ambos os medicamentos anti-TB mais comummente usados.

Estima-se que todos os anos existam 9,4 milhões de novos casos de tuberculose (TB) em todo o mundo e quase dois milhões de mortes por TB. A magnitude da epidemia de TB na África sob -saariana é bem reconhecida. Entre outros factores, a co-infecção HIV tem intensificado a epidemia de TB. A África Subsaariana é responsável por aproximadamente 80% da TB / HIV do mundo.

(DR)
(DR)

Já para Angola a Tuberculose é um dos motivos mais comuns para visitas às instalações de saúde. O país tinha uma taxa de incidência estimada de TB em 2010, de 298 casos por 100.000 habitantes, com 5.500 mortes (excluindo HIV). O Ministério da Saúde instituiu o Programa Nacional de Tuberculose (NTP), em 1981. A sua prioridade é o estabelecimento de serviços de diagnóstico e tratamento de tuberculose de qualidade em todo o país. No entanto, a sua aplicação continua fraca. Desde 1996, que o país adoptou a estratégia DOTS para o tratamento. No entanto, em 2007, cobria apenas 9% dos estabelecimentos de saúde (138 de 1.465 instalações) no país e cerca de 30 por cento da população.

Embora a pesquisa operacional tem um papel importante a desempenhar na melhoria da qualidade e eficácia dos programas nacionais de TB, nenhum estudo foi realizado em Angola. O que nos leva a pensar quando será que o Governo e o mundo vão olhar para estes números alarmantes e tomar uma séria atitude? Voltando a África do Sul pode-se dizer que apesar de tudo o país está a melhorar o percentual de pacientes com TB e HIV nos últimos anos, embora mais de 15% de todos os pacientes com tuberculose tenham falhado o tratamento no ano passado.

Uma das questões críticas no tratamento da TB é a identificação precoce de pacientes de modo que possam ser tratados com antecedência para evitar mortes evitáveis e desnecessárias.

Hoje, a África do Sul continua a ser a maior compradora de instrumentos GeneXpert, uma nova ferramenta que permite o diagnóstico melhorado e mais rápido de TB e de resistência a medicamentos contra TB (DRTB) incluindo a tuberculose multi-resistente ( MDRTB) mais de 190 instrumentos GeneXpert estão em uso em todo o país. De acordo com o directorgeral da saúde, Precious Matsoso, mais 134 estão programados para chegar antes do final do ano.

Será que existe a possibilidade desses números virem a baixar ainda mais? Já que em Março deste ano os Estados Unidos da América anunciaram que o apoio por eles prestado a África do Sul será cortado para metade em 2017 devido a crise financeira e a cortes orçamentais obrigatórios? A resposta é positiva, pelo menos para a África do Sul graças a soma avultada de R3 bilhões de Randes (aproximadamente 30,000,000,000 AKZ) dada pelo Fundo Global de Luta contra a SIDA, Tuberculose e Malária segundo informou o vice presidente da África do Sul Kgalema Motlanthe, o mesmo diz que o Findo Global aprovou R3 bilhões para programas de HIV e tuberculose no país.

De acordo com os objectivos de Desenvolvimento do Milénio, a propagação do HIV e Tuberculose deveria ter sido interrompida e começou a ser revertido em 2015.

O anúncio foi feito durante a 2 ª Reunião Plenária SANAC (South African National AIDS Council ) no Centro de Convenções Bafokeng , em Rustenburg, onde Motlanthe disse que o financiamento adicional permitirá que o país expanda os seus programas de tratamento contra a SIDA e tuberculose, mas também para o importante trabalho que o governo está a fazer que é o de evitar novas infecções de HIV e TB .

“É a maior concessão que já recebemos do doador multi-sectorial na história da nossa luta contra a SIDA e tuberculose”, disse Motlanthe, que também é o presidente do Conselho Nacional de SIDA (SANAC).

Descrevendo como o dinheiro será usado, o ministro da Saúde, Dr. Aaron Motsoaledi disse que uma grande parcela da subvenção será usada para a luta contra a TB e HIV/SIDA. “ 52% Vão para o Departamento Nacional de Saúde. Os demais valores vão para outros destinatários, como as ONG´s direito à assistência religiosa, a Associação Nacional para o Desenvolvimento Social, a Convenção Nacional de SIDA da África do Sul, entre outros “ Motsoaledi disse que as áreas com maior concentração de TB no país são as instalações dos Serviços Prisionais, onde a tuberculose é a doença mais comum.

Durante o Dia Mundial da Tuberculose, em Março deste ano, Motlanthe revelou a nova ferramenta de diagnóstico, GeneXpert, na prisão de Polsmoor, que agora está a ser dada aos estabelecimentos prisionais por todo o país.

Ele disse que desde o período entre Março e Agosto, só em Polsmoor, 12.656 detidos foram seleccionados para serem examinados para a possibilidade de terem TB; 2327 foram considerados suspeitos e levados a fazer o teste através da tecnologia GeneXpert e 176 foram finalmente diagnosticados com tuberculose. Oito deles foram encontradas múltiplas resistências aos medicamentos contra TB.

“Com esse dinheiro, nós vamos ser capazes de fazê-lo em todas as instalações de serviços correccionais do país… Cada preso terá que ser examinado e aqueles [considerados] suspeitos serão levados para serem testados através da GeneXpert. Aqueles com TB serão colocados em tratamento imediatamente. Iremos também visitar as famílias dos mesmos de modo a que estes sejam testados.

“Iremos também fazer um tratamento baseado na comunidade, o que irá permitir que os pacientes sejam tratados nas suas comunidades… “ Depois de Serviços Prisionais, os oficiais vão deslocar-se para as minas.

Mais de 100 mil mineiros em pequenas minas serão testados. Seguimentos também serão feitos nas grandes minas de modo a verificar a sua conformidade com o programa de prevenção e tratamento de TB.

O dinheiro também será gasto em vários programas contra o HIV, como a aquisição de medicamentos ARV para 350 mil pacientes no país, e o reforço da unidade central de compras para evitar o problema da falta de medicamentos em armazém.

O CEO da SANAC Dr. Fareed Abdullah disse que a concessão deste valor vai permitir que o país possa combater as causas que levam a novas infecções em mulheres jovens e também em populações de alto risco, como profissionais do sexo.

(DR)
(DR)

Durante o encontro, observou-se que o país estava a fazer progressos na consecução da meta global, conforme estabelecido pela ONU, de reduzir o HIV/SIDA em 50% até 2015. O país lançou com sucesso o seu programa de tratamento anti-retroviral, com dois milhões de pessoas que recebem tratamento, tornando-se o maior programa de tratamento no mundo.

O país também está na trilha de alcançar o objectivo de redução e eliminação da transmissão do HIV de mãe para filho até 2015. A taxa de transmissão é agora de 2,7%, uma queda de 8% desde 2008.

Será que a África do Sul vai conseguir atingir a meta estabelecida pela ONU? Ou será que com a corrupção que tem havido no país este valor vai ser usado para outros fins o que impedirá o país de atingir a meta? (rm.co.mz)

Por Ediana Miguel

DEIXE UMA RESPOSTA