Parlamentar britânico insta deputados da Guiné-Bissau a liderarem processo de reconciliação nacional

bandeira-da-inglaterraO presidente da Comissão da Câmara de Lordes (Grã-Bretanha), Robin Teverson, que hoje termina uma visita de uma semana à Guiné-Bissau, instou hoje os deputados do país a liderarem o processo de reconciliação nacional.

Dirigindo-se à sessão plenária do Parlamento, Robin Teverson afirmou que na situação atual da Guiné-Bissau “só um Parlamento forte, coeso e determinado” poder conduzir ao entendimento das diferentes sensibilidades do país.

Salientando o facto de ser o primeiro cidadão britânico a dirigir-se aos deputados guineenses, Teverson frisou que, no seu entender, o Parlamento da Guiné-Bissau “tem o dever de guiar o país para um futuro melhor”.

“O Parlamento pode unir a Guiné-Bissau para que esta venha a ser uma nação forte e isso não é nem tarefa do Governo, nem do cidadão comum, e muito menos dos militares”, notou o deputado britânico.

Teverson disse que, para começar, o Parlamento guineense devia voltar a pôr em marcha o projeto de diálogo nacional, colocando-se no centro da nação que, afirma, “tem um futuro brilhante”.

O parlamentar britânico fez um reparo sobre o curso da democracia guineense, lamentando o facto de a segunda volta das eleições presidenciais de 2012 não se ter realizado devido ao golpe de Estado militar.

“Pudemos observar quão livre, justa e transparente havia sido a primeira volta das eleições presidenciais, que infelizmente não foram concluídas. A democracia saiu minada com a não realização da segunda volta das presidenciais de 2012”, defendeu.

O parlamentar britânico assinalou que “uma importante delegação de deputados” do seu país esteve na Guiné-Bissau aquando da primeira volta das presidenciais interrompidas e que no futuro poderá enviar representantes em caso de eleições.

“A comunidade internacional está disposta a ajudar a Guiné-Bissau se o Parlamento liderar o processo para a reconciliação e que conduza para as eleições”, notou Lorde Teverson, cujo discurso foi interrompido durante dois minutos devido à falha da energia elétrica no Parlamento.

O presidente do Parlamento guineense, Ibraima Sory Djaló, considerou que a presença da delegação chefiada pelo Lorde Teverson na Guiné-Bissau “é um apoio incontestável” ao processo de transição em curso no país.

“Apelo ao nosso ilustre hospede para que seja o porta-voz da Guiné-Bissau junto dos países da União Europeia para que voltem a apoiar as reformas no nosso país e particularmente a realização de eleições”, disse Sory Djaló. (lusa.pt)

DEIXE UMA RESPOSTA