Um ringue de 1000 milhões 
de dólares

Anderson silva vence belfort, num combate em las vegas: Nesse mês o duelo foi o assunto 
mais comentado do Twitter

Três minutos e meio de luta culminaram com um poderoso pontapé no queixo do pobre adversário. Foi assim que o lutador brasileiro Anderson Silva, de 35 anos, se tornou uma celebridade do mundo desportivo na madrugada de 6 de Fevereiro. Na arena do Casino Mandala Bay, em Las Vegas, Anderson venceu por KO o compatriota Vitor Belfort no que alguns especialistas já chamaram “a luta do século” do Ultimate Fighting Championship (UFC), o maior campeonato de artes marciais mistas do mundo.

 

Clique para ampliar a imagemO “duelo no octógono” (como é conhecido o ringue usado nas lutas da modalidade) foi visto ao vivo, através do pay-per-view, por mais de 800 mil pessoas, a somar às 11 mil presentes na arena, gerando uma receita de bilheteira de 3,6 milhões de dólares. Outrora considerado um desporto de nicho, o UFC tornou-se uma moda — durante dez dias esteve na lista dos assuntos mais comentados do Twitter, à frente dos sangrentos protestos no Egipto ou o popular Super Bowl, a final do campeonato de futebol americano. Tal popularidade reflecte-se no valor da marca. Adquirida por dois irmãos americanos, em 2001, por 2 milhões de dólares, hoje o UFC vale 1000 milhões, segundo a revista Forbes.

 

 

 

Clique para ampliar a imagem
hollyfield versus tyson , em 1997: hoje o boxe perdeu espaço para o Mixed  Martial Arts

Desde que passou para as mãos dos irmãos Fertitta, o UFC cresce 10% ao ano. Em 2010, facturou 400 milhões de dólares, um crescimento de 20% face ao ano anterior. Cerca de 80% vêm de direitos de transmissão por pay-per-view. “O UFC é o nosso grande patrocínio internacional na área desportiva depois do automobilismo”, diz Matt Schmidt, director de marketing da Harley-Davidson nos Estados Unidos.

 

Um dos maiores desafios foi criar uma base de fãs. Devido à sua agressividade, o UFC chegou a ser apelidado pelo senador John McCain como “luta de galos humana”. Em 2005, os Fertitta tiveram uma ideia: investir 10 milhões de dólares no lançamento de um reality show capaz de atrair jovens que gostassem de lutas. A iniciativa — baptizada de The Ultimate Fighter — premiaria o vencedor com uma vaga no UFC. O sucesso do programa foi imediato e deu origem a bonecos, jogos de computador, roupas e material desportivo.  Embora ainda esteja longe do glamour do boxe nos seus tempos áureos — a clássica luta entre Mike Tyson e Evander Hollyfield, nos anos 90, rendeu 18 milhões de dólares só em bilheteira —, o Ultimate Figh­ting já começa a despontar como um dos principais eventos desportivos do mundo.”

 

 
Por: João Werner Grando

Fonte: Exame

Foto: Exame

COMPARTILHAR
Artigo anteriorNike JUST DO IT
Próximo artigoAdeus São José de Calumbo?

DEIXE UMA RESPOSTA