Regresso a casa de compatriotas

Cidadãos são alojados em centros de acolhimento onde recebem todos os apoios do Ministério da Reinserção Social
Cidadãos são alojados em centros de acolhimento onde recebem todos os apoios do Ministério da Reinserção Social

Cidadãos angolanos regressados da República Democrática do Congo (RDC), no quadro do processo de repatriamento voluntário e organizado de refugiados foram reassentados nas suas zonas de origem, na província do Zaire, garantiu na quinta-feira, em Mbanza Congo, a directora provincial da Assistência e Reinserção Social, Madalena das Dores.
A directora provincial garantiu que são 252 cidadãos, que integram 76 famílias reassentadas no município de Mbanza Congo, seis no Kuimba, uma no Tomboco e outro na vila do Nzeto (Zaire). Duas tiveram como destino a vizinha província do Uíge.
Madalena das Dores garantiu que o governo provincial, em coordenação com o Ministério da Assistência e Reinserção Social, está a entregar bens de primeira necessidade aos cidadãos regressados, para garantir uma rápida reintegração social na vida produtiva do país.
Para além dos equipamentos de reassentamento, compostos por instrumentos agrícolas, lonas e utensílios de cozinha, a Direcção Provincial da Assistência e Reinserção Social está a entregar igualmente diversos bens materiais às famílias.
No centro de trânsito do Kiowa, arredores de Mbanza Congo, as famílias beneficiam, por dia, de duas refeições, para depois de 72 horas serem evacuadas para as suas respectivas zonas de origem.
A directora provincial anunciou a chegada à província, esta terça-feira, de mais 206 cidadãos angolanos provenientes da RDC. Estes repatriados escolheram como destino os municípios de Mbanza Congo e Kuimba, na província do Zaire.
O processo de repatriamento dos refugiados angolanos da RDC a nível da província do Zaire é efectuado duas vezes (terças e sextas-feiras) por semana.


Bilhetes  de identidade

Os cidadãos regressados da República Democrática do Congo (RDC), no quadro do processo de repatriamento organizado e voluntário, beneficiaram de assentos de nascimento e de bilhetes de identidade, no âmbito da campanha de registo gratuito de refugiados angolanos nos países vizinhos. A directora provincial da Justiça, Felismina Gando Manuel, que prestou ontem esta informação à Angop, em Mbanza Congo, disse que 110 crianças obtiveram as respectivas cédulas de nascimento.
Felismina Gando Manuel ressaltou que a emissão do bilhete de identidade é feita na hora, através do sistema “on-line” instalado no Centro de Acolhimento do Kiowa, arredores da cidade de Mbanza Congo.
A directora fez saber que cerca de 80 cidadãos, entre adultos e crianças, provenientes da RDC são registados diariamente no referido centro, num processo assegurado por técnicos da Direcção Provincial da Justiça.
Questionada sobre eventuais casos de infiltração de cidadãos estrangeiros, a responsável disse que medidas de segurança estão em vigor para evitar este movimento. “Até aqui ainda não registámos casos suspeitos de estrangeiros infiltrados no processo. Temos uma equipa do Serviço de Migração e Estrangeiros destacada no centro, que está a trabalhar para o efeito”, sustentou. Dos 43 mil refugiados angolanos na RDC previstos para regressar ao país, 25 mil serão reassentados na província do Zaire.

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: João Mavinga

 

DEIXE UMA RESPOSTA