O grande ecrã do cinema

Pedro Ramalhoso, Director do FIC, considera que o festival é o “grande ecrã do cinema angolano e internacional, e está a crescer a cada edição, ganhando, cada vez mais, expansão internacional. Esta edição tem convidados de 14 países, o que testemunha o interesse da comunidade internacional de cineastas. Para nós, o festival é uma oportunidade para alicerçar os pilares, ou pelo menos contribuir para a formação dos profissionais do cinema e do audiovisual. A aprovação da lei do cinema e do audiovisual, permite abrir novos horizontes profissionais aos realizadores, produtores, técnicos, actores e editores”.
Pedro Ramalhoso assegurou que durante o festival decorre um seminário de formação sobre técnicas de produção, no Cine Atlântico, orientado pelos realizadores, Ana Costa e Mário Grilo. Do programa fazem ainda parte várias palestras no Auditório Pepetela.
Estarão em competição, no Auditório Pepetela, os filmes “Uma Lulik”, de Victor de Sousa, Timor-Leste (2010), “Cinderela, lobos e um príncipe encantado”, de Joel Zito Araújo, Brasil (2009).
Ao longo do Festival estão em competição mais de 30 filmes, dos quais oito de produção nacional e 26 estrangeiros. O FIC conta este ano com a presença de filmes de Israel, Brasil, Portugal, Timor-Leste, Guiné-Bissau, Portugal, Moçambique, Espanha, Suécia, Guadalupe, Cuba, Costa Rica, Estados Unidos da América, Argélia, Itália e Cabo Verde.

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Dombele Bernardo

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA