Ler Agora:
Matala aumenta vagas para os primeiros ciclos
Artigo completo 5 minutos de leitura

Matala aumenta vagas para os primeiros ciclos

Os pequenos comerciantes do município já podem deslocar-se sem dificuldades à povoação graças à construção de um ponteco

A entrada em funcionamento de quatro novas escolas dos I e II ciclos do ensino primário e secundário vai permitir que 2.880 alunos residentes em vários pontos do município da Matala, na Huíla, frequentem as aulas, no próximo ano lectivo.
Os estabelecimentos, com seis salas cada, erguidos por construtoras locais ao longo de 180 dias e apetrechados com mobiliário adequado ao processo de ensino e aprendizagem, foram inauguradas na semana passada pelo governador provincial da Huíla, Isaac dos Anjos, no âmbito dos festejos do dia da independência.
As crianças dos bairros da Camúcua, Camuyahulu, Candjanquiti, Cahululu e arredores, têm agora as escolas implantadas em locais próximos das suas residências, facto que melhora a assiduidade dos educandos, permite um acompanhamento regular e o controlo dos encarregados de educação.
As novas infra-estruturas, construídas no âmbito do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza, custaram aos cofres do Estado154 milhões de kwanzas.
Constam ainda do leque de novos equipamentos, um ponteco, sistema de captação e abastecimento de água potável no sector da Tchipópia e um centro de saúde na comuna da Castanheira da Pêra.
O governador Isaac dos Anjos, num encontro com dezenas de populares da Tchipópia, afirmou que o governo está a construir estas infra-estruturas para prestar serviços diversos de qualidade à população.
Os pequenos comerciantes do município já podem deslocar-se sem dificuldades à povoação, graças à construção do ponteco, e as trocas comerciais entre os produtos do campo e da cidade podem, agora, ser feitas com normalidade, salientou o governador.

O actual crescimento demográfico que faz o sector ter cerca de cinco mil habitantes, justifica a construção de mais escolas e estruturas da administração, entre outros imóveis indispensáveis ao bem-estar das crianças, adultos e idosos, afirmou Isaac dos Anjos.
O administrador municipal da Matala, Miguel Vicente, disse ao Jornal de Angola que estão neste momento registados um total de 45.750 eleitores, entre novos e antigos. As brigadas de registo desdobram-se em vários pontos para atingir cada vez mais eleitores, desenvolvendo várias acções de sensibilização de igrejas, autoridades tradicionais, associações e outros.

Satisfação pelas escolas

Os encarregados de educação da Matala manifestaram a sua satisfação pela abertura ao público dos novos estabelecimentos de ensino e encorajaram o Executivo a continuar a apostar na reparação e construção de imóveis destinados ao ensino, centros de saúde, pontecos e sistemas de captação e abastecimento de água potável. O professor Alfredo Cavandja, residente em Candjanquiti com a esposa e seis filhos, diz estar satisfeito com o surgimento da escola do II ciclo do ensino secundário, já que constituía uma preocupação para a comunidade, atendendo que os alunos que concluíam o I ciclo do ensino primário tinham de ser encaminhados para a vila se queriam dar continuidade aos estudos.
Cavandja elogiou a iniciativa das autoridades em levar escolas, centros de saúde e outras obras de impacto socioeconómico às zonas rurais. “Temos novas escolas e bonitas, com condições adequadas que, além de facilitarem o ingresso de mais crianças, criam o gosto e amor aos alunos”, disse.
Os moradores dos bairros com novas escolas e outros imóveis públicos estão, segundo o professor, sensibilizados para cuidar dos mesmos como se fosse um bem pessoal, a educar as crianças e jovens a ter bom comportamento e a denunciar a quem de direito qualquer caso de actos de vandalismo.
A professora Estela Josefa também apoia o surgimento de novos estabelecimentos de ensino, por permitirem a entrada de mais crianças, reduzindo assim o número daquelas que estão fora do processo de ensino e criando novos postos de trabalho para redução do desemprego no seio dos jovens, sobretudo aqueles com competências para formar o homem do amanhã.
A distribuição de merenda escolar, este ano lectivo, teve repercussões positivas na presença permanente das crianças nas aulas, na assimilação, atenção aos conteúdos dados pelos docentes e conquista de novos alunos, notaram os professores Cavandja e Estela Josefa.
Sublinharam que o número de faltas e as desistências reduziram, uma vez que as crianças não hesitavam em se deslocar à escola sem ter comido algo em casa por terem confiança na entrega da merenda durante o intervalo. “Os fornecedores foram capazes de equilibrar a dieta das merendas, tendo contribuído para uma maior entrega e o bem-estar dos alunos”.
Os dados a que o Jornal de Angola teve acesso atestam que 12.939 alunos do I ciclo do ensino primário dos municípios da Matala, Chicomba, Quilengues, Gambos, Quipungo e Kuvango foram contemplados com merenda escolar. Para o próximo ano lectivo, o governo da província propôs abranger 30 mil crianças e estender o programa a mais municípios.

Estanislau Costa |Matala

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Estanislau Costa

 

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »