Ler Agora:
Inflação de Outubro inferior à previsão
Artigo completo 2 minutos de leitura

Inflação de Outubro inferior à previsão

A ligeira subida dos preços do mês de Outubro foi principalmente atribuída à classe dos bens e serviços diversos

O índice do preço do consumidor (IPC) registou em Luanda uma variação de 0,81 por cento entre Setembro e Outubro, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados, ontem, por ocasião do dia Africano de Estatística.
A classe de bens e serviços diversos foi a que registou o maior aumento de preços, 1,67 por cento. Salientam-se também agravamentos, de 1,33 por cento, nos hotéis, cafés e restaurantes.
Mobiliário e equipamentos domésticos e de manutenção registaram um aumento de 1,06 por cento, enquanto o lazer, a recreação e a cultura subiram 1,05.
A variação homóloga situa-se agora em 11,44 por cento, o que significa uma descida de 0,47 pontos percentuais em relação à variação ao período anterior, confirmando a tendência decrescente da variação homóloga iniciada em Novembro de 2010.
A taxa de variação do IPC por classes de consumo mostra que das 12, quatro apresentam um dígito, sendo a de bens e serviços diversos a que tem a mais elevada, 1,67 por cento. As restantes apresentam taxas inferiores à unidade. Educação, comunicações e transporte tiveram as taxas mais baixas de variação de preços, 0,00 por cento, 0,07 por cento e 0,12 por cento.
A classe de alimentação e bebidas não alcoólicas foi a que mais contribui para o aumento d a inflação, seguida pela de bens e serviços diversos, mobiliário, equipamentos domésticos e de manutenção.
Em Outubro foram tratados 14.792 preços observados contra os 14.790 do mês anterior. No âmbito do dia africano da Estatística, o INE realizou várias actividades, entre as quais uma palestra subordinada ao tema “manter para melhorar o desempenho de África para um futuro mais sustentável”.

O vice-ministro do Planeamento disse, na ocasião, que o INE é um sector que deve, cada mais, aumentar a consciencialização pública sobre o importante papel que desempenham as estatísticas em todos os domínios da vida económica e social.
O INE, declarou Pedro Luís da Fonseca, tem o dever e a obrigação de elaborar estatísticas nacionais em articulação com as demais entidades componentes.

 

Graciete Mayer

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Domingos Cadência

 

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »