‘Bento XVIII’ em Luanda

Bento Bento (BB) é o 18º governador de Luanda
Bento Bento (BB) é o 18º governador de Luanda

Bento Bento (BB) é o 18º governador de Luanda desde a independência, não contando com Graciano Domingos que esteve a aquecer o lugar por alguns meses, depois da passagem relâmpago de José Maria dos Santos pelo lugar. A pergunta que se levanta é se é ele o homem.

Bento Sebastião Francisco Bento é o novo governador de Luanda, nomeado Segunda feira, 14 de Novembro de 2011, pelo Presidente da República.

As reacções não se fizeram esperar, e mais ainda quando na imprensa angolana se especulava sobre a iminente nomeação de João Miranda, actual governador da província do Bengo. Outros dos nomes aventados foram os de Frederico Cardoso, actual Secretário do Conselho de Ministros e de Adelino Peixoto, actual Secretário-geral da Presidência da República. Bento Bento terá atingido o auge da sua carreira política, com esta nomeação. Diz-se por Luanda.

Luanda começa a ser vista como um local perigoso para quem ambicione voos mais altos na sua carreira política. É um lugar de mácula. São já 18 (com Bento Bento), os nomes de pessoas que governaram a capital em 36 anos de independência, perfazendo uma média de dois anos de mandato para cada um, tempo manifestamente curto para realizar o que quer que seja, mas também tempo suficiente para mostrar a capacidade trituradora de Luanda, ou as incapacidades de muitos que a governaram. Houve quem governasse Luanda e que nunca mais se conseguiu reerguer.

Há outros aspectos importantes a pesar na ideia que diz que Bento Bento atingiu o topo da sua carreira.

Ao novo inquilino do palácio da Mutamba não se lhe conhece experiência governativa, nem de gestão. Tal como Job Kapapinha, antigo governador, tornou-se conhecido como mobilizador partidário de massas.

Neste aspecto há semelhanças entre os dois homens, mas Kapapinha não deixou saudades, resta saber se Bento Bento faz melhor.

Se se sair bem em Luanda BB poderá sonhar com voos mais altos, mas o seu curriculum não o coloca ainda na condição de ministriável, muito menos de presidenciavel.

O que favorece BB

Bento Bento chega ao governo da província com a pasta partidária de 1º Secretário do MPLA em Luanda. É um governador com peso partidário importante, tal como o são os governadores de outras províncias. Em Luanda isso não acontecia. Kapapinha, Francisca do Espírito Santo e José Maria, por exemplo, tiveram de governar com a “supervisão” partidária de Bento Bento, sujeitando-se a algumas críticas públicas do “1º”, como aconteceu numa entrevista a este jornal em que Bento Bento não se coibiu de criticar a forma como estavam a ser dirigidas as demolições no tempo de Francisca Espírito Santo. Mas também é sabido que BB saiu em defesa de “Tia Xica”, aguentando-a na Mutamba, depois da bronca do loteamento de terrenos que os cidadãos pagaram e ficaram a ver nada.

O que estava em causa, para BB, era a coesão partidária, tendo referido algumas queixas de militantes que tinham visto demolidas as suas casas de construção definitiva, onde tinham empregado o “dinheiro do seu esforço”. Sendo que os governos devem aplicar as políticas traçadas pelos partidos que os suportam, não será muito difícil perscrutar alguns desentendimentos entre a sede partidária provincial na Vila Alice e o palácio da Mutamba, no passado.

Para já, Bento Bento está a salvo de um olhar partidário a vigiar-lhe os paços em Luanda. Mas não está salvo de todo: em Luanda funciona a sede nacional do partido e Luanda é a sede do Executivo. Ou seja, Bento Bento não será o “grande soba”, como acontece noutras províncias, apesar de ser membro do Buereau Político do MPLA, um lugar onde poderá resolver muitas das previsíveis querelas com interesses em que estejam envolvidos ministros, dirigentes partidários e até oficiais militares.

Se a acumulação das duas direcções (MPLA e governo na província) não livram BB de dores de cabeça, por se tratar de Luanda, o centro das intrigas políticas, também é verdade que para o MPLA esta condição é boa para os objectivos imediatos.

Entenda-se eleições de 2012.

BB é um político populista, um homem que gosta do palanque para soltar a sua potente voz e o discurso típico dos pastores evangélicos.

Sabe comunicar com as massas (embora volta e meia cometa alguns exageros). Sabe mobilizar e manter os militantes fiéis ao seu partido e a confiar na sua liderança.

Estamos a pouco mais de oito meses das próximas eleições gerais.

Bento Bento começará a ser governador de Luanda, de verdade, em Janeiro do próximo ano. Tem de arrumar a casa, criar gabinete, etc.

E depois há a confusão da quadra festiva. Bento Bento vai iniciar o seu mandato de governador em campanha eleitoral e isso é muito bom para o MPLA.

Em 2012 Luanda terá um governador mobilizador. O governo provincial e o MPLA estarão em sintonia e a falar numa única voz. Os actos do governador Bento Bento serão também actos do 1º secretário do MPLA em campanha. Na verdade, os problemas de Luanda serão abordados sempre com o olho nas eleições.

É isso o que o MPLA ganha ao colocar na Mutamba um homem cuja retórica e capacidade de mobilização não podem ser desprezadas.

O chão, lugar dos pés

Ainda que BB seja um grande mobilizador de massas, capaz de captar muitos votos para o seu partido, ainda que venha a ter espaço para se perder em campanha e em populismos, Luanda não sairá do lugar e permanecerá à espera de ser governada. O mesmo é dizer que permanecerá à espera de ver resolvidos os seus inúmeros problemas. Em algum momento BB terá de pôr os pés no chão e confrontar-se com Luanda.

O lixo, um problema que se eterniza, será apenas um dos desafios.

Lidar com as operadoras de recolha de resíduos sólidos não tem sido fácil para ninguém. A não ser que BB resista à tentação de se ligar ao negócio do lixo, conservando a autoridade que o governador deve ter.

O chão de Luanda é todo ele um imenso problema. Não está facilmente transitável. Em ano de eleições os engarrafamentos são do pior que se pode ter, pelo efeito psicológico nas pessoas. Nada pior que ver a vida a passar parado no interior de um carro que não tem como andar.

BB começará a governar em tempo de chuva e perante o grotesco que esta realidade nos vai habituando, não há populismo que resista, a não ser que se lhe junte uma varinha mágica (dinheiro, muito dinheiro) para inventar soluções temporárias e balsâmicas com promessas de melhorias no futuro. Ir visitar os sinistrados (todos os anos é assim) e fazer discursos não vai ajudar. Nas duas últimas épocas chuvosas, BB e os seus moços da JMPLA ainda conseguiram ensaiar paliativos com campanhas de limpeza no Cazenga e no Hoji ya Henda, destas vez, com BB ao leme da governação, as pessoas esperarão por soluções mais definitivas.

Nas dissonâncias que foi tendo com anteriores governadores, BB habituou as pessoas, com destaque para os militantes do MPLA, a verem-no como uma espécie de advogado perante as falhas do governo provincial e até perante as insuficiências do Executivo angolano, logo, electricidade e água serão reclamações a cair sobre a mesa do novo governador mal ele tome posse, para não falar do saneamento.

Respostas para já

O que fará BB com o caso da Ocean Drive? Terá BB capacidade, coragem e como devolver as praias aos luandenses? Há gente ainda a viver em tendas, que palavras lhes dirá o novo governador? O país tem de avançar, há obras absolutamente necessárias e há obras que levarão, inevitavelmente, a destruição de casas. BB estará agora na posição de demolidor. Vai adiar as demolições até 2013, ou preferirá mostrar trabalho? É que se não trabalhar, BB, em 2013 estará na média fatídica de dois anos de governação, poderá ser descartado… em desgraça, ainda que amealhe votos em 2012.

 

Fonte: O Pais

Foto: O Pais

DEIXE UMA RESPOSTA