Filmes estrangeiros exibidos em Luanda

Cartaz do filme que abre o FIC-Luanda
Cartaz do filme que abre o FIC-Luanda

Filmes estrangeiros, num total de 26, vão a concurso no IV Festival Internacional de Cinema de Luanda, que decorre a partir de amanhã até 24 de Novembro, segundo um comunicado da organização do evento.
O festival é organizado pelo Ministério da Cultura de Angola, através do Instituto Angolano do Cinema, Audiovisual e Multimédia (IACAM), e as sessões dos filmes em competição, entre os quais oito filmes angolanos, vão decorrer no Cine Atlântico e no Auditório Pepetela, no Centro Cultural Português.
Este festival abre com a exibição do filme “Por Aqui Tudo Bem”, da realizadora angolana Esperança Pascoal “Pocas”.
Nas longas-metragens, a única obra portuguesa a concurso é “O Barão”, de Edgar Pêra, de 2011, enquanto na categoria de curtas, vieram de Portugal “Hepicat (Aquele que tudo Vê)”, de Nuno Portugal, “Alfama”, de João Viana, e “Voodoo”, de Sandro Aguilar, todos de 2010.
Na categoria de documentários, as obras a concurso em representação de Portugal são “Eden”, de Daniel Blaufuks, de 2011, e ainda “Arte Xavega – O Chamamento do Mar”, de Paulo César Fajardo, “Fuera de Quadro”, de Marcio Laranjeira (Argentina/Portugal), ambos de 2010.
Na sessão extra concurso, é exibido “Das 9 às 5”, de Rodrigo Lacerda e Rita Alcaire (Portugal).
Durante o evento vai ser rubricado um Protocolo de Parceria entre o Festival Internacional de Cinema – FIC Luanda e o Festival de Cinema de Pernambuco do Brasil, para futuras acções de cooperação e de intercâmbio cultural entre as instituições de ambos os países, segundo o comunicado.

No decorrer do FIC-Luanda, o realizador português Mário Grilo ministra um seminário de formação em direcção para actores.
Na edição deste ano, a organização do FIC-Luanda vai privilegiar a formação de quadros com uma acção prática para a produção de uma curta-metragem nacional.
Paralelamente à apresentação dos filmes, é organizada a Feira do Cinema e Arte, uma exposição dos agentes, produtores e operadores das várias áreas de intervenção do cinema.

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: DR

DEIXE UMA RESPOSTA