Exploração ilegal de madeira preocupa autoridades locais

Estão a ser criados mecanismos para pôr fim ao abate indiscriminado de árvores
Estão a ser criados mecanismos para pôr fim ao abate indiscriminado de árvores

As autoridades da província do Uíge estão preocupadas com a exploração ilegal de madeira no município do Ambuíla, praticada com a colaboração dos sobas.
O governador Paulo Pombolo mostrou-se agastado com tal acto e condenou a atitude dos sobas da circunscrição que têm colaborado com os madeireiros na exploração ilegal destes recursos.
Falando na sede municipal de Ambuíla, durante um encontro em separado com os administradores municipais e as autoridades tradicionais daquela localidade, o governador Paulo Pombolo esclareceu que só o governo da província, através das instituições responsáveis que zelam pela gestão da fauna e da flora, têm competências para licenciar as empresas que pretendam explorar madeira.
“Os empresários que exploram madeira têm a obrigação de pagar impostos ao Estado e contribuírem para a solução de vários problemas das comunidades onde exercem as suas actividades, como a reabilitação de estradas, construção de escolas, postos de saúde ou outras acções”, disse o governador, acrescentando que “se essa autorização é dada apenas pelos sobas, então leva-nos a concluir que estes chegam a ser desonestos, não cumprindo os seus compromissos”.
Perante esta situação, o governador pediu ao comando provincial da Polícia Nacional, à Direcção Provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural e ao Instituto de Desenvolvimento Agrário, para encontrarem mecanismos que visem combater e pôr fim à exploração ilegal de árvores na província.
No encontro com os administradores municipais, que serviu para analisar, entre outras questões, a concretização do Programa de Combate à Fome e à Pobreza, os serviços municipalizados de saúde, estatuto orgânico dos hospitais e formação de quadros superiores para os municípios, pela Universidade Kimpa Vita, Pombolo afirmou que a melhor forma de gestão dos recursos financeiros, colocados à disposição das administrações municipais, passa pela auscultação dos parceiros sociais e populações, para melhor conhecermos os desejos dos munícipes.
Os projectos a serem desenvolvidos têm de ser aqueles que a população aponta como prioritários, afirmou, admitindo ser importante auscultá-la para se ter uma ideia plausível do pensa.

O governador Paulo Pombolo defendeu a necessidade de se melhorar, cada vez mais, os serviços de assistência sanitária nos hospitais e centros municipais de saúde, para que muitas doenças sejam tratadas nas localidades, evitando as constantes evacuações para o Hospital Geral do Uíge.
Paulo Pombolo anunciou ainda, para o próximo ano, a construção de sistemas de captação, tratamento e distribuição de água nos municípios de Sanza Pombo, Puri, Songo, Damba e nas comunas de Kamantambo, Quisseque Lulovo, Cambamba e Wando Mucaba.

António Capitão | Ambuíla

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA