Estados Unidos militarmente mais activo em África

Intervencionismo americano em África
Intervencionismo americano em África

O Professor Antonio Gaspar, docente no Centro de Paz e Conflitos do Instituto de Relações Internacionais de Moçambique em Maputo, disse que o envio americano de uma centena de militares ao Uganda e a abertura de uma base aérea para aviões-drones no sul da Etiópia, são as premissas do ambicioso projecto americano AFRICOM.

Antonio Gaspar corrobora as criticas africanas sobre o intervencionismo militar americano no continente e dá razão as analises que poem a nú o carácter unilateral dessas operações militares dos Estados Unidos, nomeadamente ao nível da Somália, onde deviam reforçar o contigente das União Africana em vez de instalar uma força a partir da Etiópia.

Washington tinha anunciado há três semanas o envio de uma centena de operacionais das forças armadas para o Uganda a fim de ajudar na guerra contra o Exercito da Libertação do Senhor – LRA de Joseph Kony.

Há pouco dias a admnistração americana anunciou a abertura de uma base aérea no sul da Etiópia de onde iria operar os drones que deverão intervir nas operações militares na Somália.

Estes anúncios relançaram as preocupações sobre o intervencionismo militar americano em Africa e as consequências dessa politica criticada por lideres africanos e elite intelectual como prejudicial e susceptivel de fazer do continente mais um campo de batalha.

É sobre esses e demais outros problemas tais como o carácter tardio e disperso dessas operações assim como os limites da acção militar americana que nos fala o Professor António Gaspar,

 

Fonte: VOA

Foto: Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA