Diplomacia angolana promove mulheres nas organizações regionais do continente

Recuperação dos índices de desenvolvimento económico e social do país em poucos anos de paz impressiona as mulheres africanas - Fotografia: M. Machangongo

Recuperação dos índices de desenvolvimento económico e social do país em poucos anos de paz impressiona as mulheres africanas - Fotografia: M. Machangongo
O Ministério das Relações Exteriores tem assumido posições a nível da União Africana em prol da defesa dos direitos civis e igualdade de oportunidades para as mulheres do continente africano, garantiu ontem em Luanda o ministro das Relações Exteriores, Georges Chikoti.
O ministro, que falava à imprensa no final do encontro, no salão nobre do Ministério das Relações Exteriores, com uma delegação da Organização Pan-africana das Mulheres (OPM), chefiada pela sua presidente, Assetou Koité, Georges Chikoti assegurou que nas cimeiras da União Africana Angola tem sido solicitada a defender posições desta organização.
Georges Chikoti disse que a reunião com a delegação da Organização Pan-africana das Mulheres, em que esteve presente a vice-presidente da OPM, Carolina Cerqueira, foi aproveitada para passar em revista os últimos desenvolvimentos em África.
“A OPM tem uma relação muito objectiva com Angola”, afirmou o ministro das Relações Exteriores, para quem a visita ao país de Assetou Koité acontece numa altura em que se aproxima a realização de uma cimeira da União Africana, marcada para Janeiro próximo em Addis Abeba, Etiópia.
“Estamos a caminhar para a realização da cimeira da União Africana, onde normalmente concertamos posições sobre várias questões de interesse comum”, afirmou Georges Chikoti.

Violência doméstica
Por sua vez, a líder da Organização Pan-africana das Mulheres elogiou o facto de Angola ter aprovado a Lei contra a Violência Doméstica. Assetou Koité manifestou a sua satisfação pelo facto de existir em Angola muitas mulheres nos órgãos de decisão, o que, em sua opinião, demonstra o empenho do Executivo no cumprimento das metas dos Objectivos do Milénio.
A presidente da OPM enalteceu também a recuperação dos índices de desenvolvimento económico de Angola em tão pouco tempo de paz. Assetou Koité reuniu-se terça-feira com a secretária-geral da Organização da Mulher Angolana (OMA), Luzia Inglês “Inga”, com quem tratou aspectos relativos ao reforço das acções que visam a emancipação das mulheres do continente africano.
A senegalesa ao serviço da OPM visitou ainda na terça-feira a centralidade do Kilamba. Antes de ser eleita presidente da organização cuja sede foi durante duas décadas em Luanda, Assetou Koité trabalhou em Luanda, como funcionária sénior da OPM, então dirigida pela angolana Ruth Neto.

Fonte: JA

DEIXE UMA RESPOSTA