Defendida acções preventivas no combate ao crime e à sinistralidade

Vice-ministro do Interior para Protecção Civil e Bombeiros, Eugénio Laborinho
Vice-ministro do Interior para Protecção Civil e Bombeiros, Eugénio Laborinho

Luanda – O vice-ministro do Interior para Protecção Civil e Bombeiros, Eugénio Laborinho,  defendeu, hoje, terça-feira, a adopção de medidas preventivas no combate ao crime e sinistralidade “por serem sempre menos onerosas do que as de enfrentamento“.

Eugénio Laborinho discursava na abertura do seminário internacional sobre “policiamento de proximidade, imigração ilegal e protecção”, com a participação de delegações da Comunidade de Países da Língua Portuguesa (CPLP).

Declarou que a prevenção poupa recursos humanos, matérias e financeiros, aconselhando a desenvolver campanhas de sensibilização sobre os vários perigos que surgem por negligência, ignorância ou falta de informação.

Sugeriu também a publicação de sinais de alerta e pré-aviso, sempre que a situação o exija, controlo dos objectivos económicos e sociais, bem como as brigadas contra incêndios a nível dos países membros.

Aconselhou a realização de profilácticos correspondentes às inspecções e reinspecções que possam resultar em medidas cumpridas e não cumpridas, visando a penalização dos incumprimentos.

Falou também da necessidade de se estabelecer a solidariedade institucional a nível dos órgãos afins, entendidos numa posturainterventiva em caso de catástrofe ou calamidade.

O vice-ministro pediu igualmente um maior entrosamento entre os órgãos policiais com a comunicação social.

Aos comandantes de polícia aconselhou um aprimoramento das técnicas que permitam reportar as tendências dos crimes, entender as suas causas e medir a sua dimensão, em busca do bem-estar da população, da ordem e tranquilidades pública.

Fonte: Angop

Foto: Angop

DEIXE UMA RESPOSTA