Crescimento está ligado à chegada do comboio

Hotel Luena é uma dos principais cartões de visita da cidade capital da província do Moxico
Hotel Luena é uma dos principais cartões de visita da cidade capital da província do Moxico

Luena, a capital da província do Moxico, exibe sinais evidentes de progresso e o Executivo está a lançar projectos que vão dar ao Leste de Angola projecção nacional e regional. O investimento público e privado reduz as assimetrias, combate a desertificação humana e promove o crescimento económico.
Ruas largas, passeios limpos e arborizados dão uma imagem de tranquilidade à cidade do Luena. As actividades económicas renascem dos escombros da guerra e já poucos se apercebem que o Moxico foi uma província martirizada. José Handa acompanha a expansão dos investimentos públicos e privados que estão a ser feitos na província do  Moxico.
José Handa recorda que, há seis anos, o isolamento era tanto que por vezes o intervalo de passagem entre um carro e outro numa rua chegava a ultrapassar duas horas, mas a persistência na mudança falou mais alto.
O mesmo pensamento é partilhado por Dumba Alexandre, que reconhece profunda evolução na vida dos habitantes de Luena. Aponta o crescente aumento da população como um exemplo da sua afirmação: “o processo de reconstrução do país apagou os vestígios da guerra”, realça visivelmente emocionado Dumba Alexandre.
Conta que, quando terminou a guerra, todos os edifícios administrativos se encontravam destruídos ou num estado acentuado de degradação. As transformações levam tempo e as obras exigem meios humanos e financeiros.
No Luena, a tradicional “permuta” ocupa muita gente e as autoridades estimam que 50 por cento da população activa se dedica ao comércio. Mas apenas estão licenciados 171 agentes económicos.
A energia eléctrica está entre as principais dificuldades dos habitantes da cidade capital da província do Moxico e as restrições no fornecimento são permanentes. A cidade é abastecida por grupos geradores. As restrições no fornecimento de energia eléctrica têm feito aumentar as dificuldades no abastecimento de combustíveis e outros lubrificantes.

Apesar do número reduzido, as “zungueiras” dão o ar da sua graça nas ruas do Luena. Lúcia Mussoli mora no bairro do Aço e dedica-se à venda de mel, um produto líder das vendas. Ela compra-o na comuna do Lucusse e diariamente “zunga” pelas ruas do Luena.

Tráfego ferroviário

O relançamento do desenvolvimento económico e social na província está ligado ao restabelecimento do tráfego ferroviário do Caminho-de-Ferro de Benguela. Dumba Alexandre, que é natural do município do Luau, aguarda com muita expectativa que o comboio chegue à fronteira com a República Democrática do Congo.
“Todos esperamos que o comboio venha reanimar a actividade económica e acabar com as dificuldades no transporte de pessoas e mercadorias”, afirmou.
A província do Moxico tem 223.023 quilómetros quadrados, o que a coloca como a segunda maior província de Angola. Dumba Alexandre percorre frequentemente a estrada entre o Luau e Luena, numa distância de 334 quilómetros: “a guerra aqui destruiu mesmo”, desabafa com a voz tímida. Mas depois fica animado e diz: “as estradas estão a ser reabilitadas e isso facilita a mobilidade. Não há dúvidas que estamos a testemunhar que já foi feito muito trabalho para reconstruir a província, mas é necessário fazer muito mais, particularmente, nas estradas que nos ligam à capital do país e nos domínios da água e da energia”, salienta.

Sector da informação

A ministra Carolina Cerqueira esteve recentemente no Luena e garantiu que vai ser prestada uma atenção crescente aos problemas, anseios e realizações da população, melhorando continuamente as condições de acesso à informação no Moxico: “na realidade, estamos convictos de que a inclusão social passa hoje, para além da garantia da existência de boas infra-estruturas e de condições razoáveis, também pelo acesso à informação e às telecomunicações modernas como meio imprescindível para a transmissão do conhecimento indispensável ao progresso do país”, disse a ministra no encerramento do Conselho Consultivo do seu ministério, que se realizou na cidade do Luena.
O director provincial da Comunicação Social no Moxico, Duarte Cauaha, refere que tem havido melhorias significativas nas condições de trabalho e realça que é visível o empenho dos profissionais numa altura que está em curso a modernização do sector.
O défice do sinal da rádio e da televisão, nos municípios e comunas do interior do país, também existe no Moxico. Duarte Cauaha dá como exemplo, o sinal da televisão. Dos nove municípios da província apenas se chega ao Luena, Alto Zambeze, Bundas e Luchazes.

“Kupapatas” em força

O serviço de moto-táxi, “kupapata”, é uma marca de referência no Luena. O amanhecer dá luz verde ao ininterrupto sobe e desce de centenas de motoqueiros, vindos de todas as direcções e ávidos em transportar o maior número de passageiros e até mesmo mercadorias. um desses “Kupapata” é Evaristo Fuka, que todos dias transporta passageiros para qualquer ponto da cidade do Luena.
Para utilizar este meio de transporte, explicou Evaristo Fuka, o passageiro desembolsa entre 100 a 200 kwanzas por cada viagem.
Evaristo Fuka justificou que exerce essa actividade por  dificuldade em arranjar emprego, mas, acrescenta, que abandona a profissão “kupapata” quando arranjar um trabalho mais bem pago.
As manhãs e o final do dia  são os períodos de maior facturação devido ao fluxo constante de passageiros e revela que chega a fazer entre 1.500 a 2.000 kwanzas por dia. Mas para isso, “somos obrigados a levar os passageiros até aos becos dos arredores da cidade”.

 

Adalberto Ceita | Luena

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: M. Machangongo

DEIXE UMA RESPOSTA