Cidade Universitária tem as portas abertas

O Presidente José Eduardo dos Santos visitou demoradamente as instalações e vários departamentos técnicos do Campus Universitário - Fotografia: Rogério Tuti
O Presidente José Eduardo dos Santos visitou demoradamente as instalações e vários departamentos técnicos do Campus Universitário - Fotografia: Rogério Tuti

O campus da Universidade Agostinho Neto (UAN), inaugurado ontem na Camama, em Luanda, pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, recebe os primeiros estudantesno próximo ano académico, marcado para Março de 2012.
A instituição académica vai acolher, nesta primeira fase, cerca de cinco mil estudantes das Faculdades de Engenharia e de Ciências, que vão efectuar no local os exames de acesso.
Depois de descerrar a placa e testemunhar a apresentação da obra pelo Ministro do Urbanismo e Construção, Fernando Fonseca, o Presidente da República visitou demoradamente a biblioteca central e os laboratórios de Química, tendo recebido explicações sobre a sua capacidade e funcionamento. Visitou igualmente a casa e dormitórios modelos para professores e estudantes.
O campus universitário, cuja primeira fase custou 190 milhões de dólares norte-americanos, ocupa uma área de dois mil hectares e irá funcionar como um elemento catalisador do futuro desenvolvimento estruturado da capital.
As obras iniciaram em 2001 e vão continuar com a construção das restantes infra-estruturas, que vão albergar as Faculdades de Medicina, Agronomia, Ciências da Educação, Ciências Sociais, Arquitectura e Belas Artes, e Direito.
Nesta primeira fase estão concluídos o núcleo central do campus, que alberga a Reitoria, a biblioteca central, quatro departamentos das ciências básicas, nomeadamente Química, Física, Matemática e Ciências da Computação, com um centro de processamento de dados, além de todos os serviços complementares, bem como dois edifícios, com 28 quartos para estudantes e residências para os docentes universitários.
A biblioteca, com capacidade para três mil estudantes, situada próximo da praça central, é a estrutura mais alta do campus, criando um ponto de referência.

“É uma estrutura moderna bem projectada, dotada de todas as funcionalidades de uma cidade universitária”, sublinhou o ministro do Urbanismo e Construção, Fernando Fonseca.
O ministro acrescentou que o plano director actualizado do campus prevê albergar 40 mil estudantes de todo o país, distribuídos por várias faculdades.
Trata-se, de acordo com o ministro, de um dos maiores e mais modernos projectos arquitectónicos de Angola. “É motivo de orgulho para a família universitária e para todos os angolanos que vêem neste empreendimento mais uma oportunidade para a realização dos seus sonhos”, frisou.
O ministro das Obras Públicas apresentou igualmente o modelo de gestão que define os intervenientes e o período de transição da responsabilidade para a reitoria da UAN.
Essa fase, que vai até Fevereiro de 2012, inclui a verificação da operacionalidade dos equipamentos, aceitação das garantias, certificação dos licenciamentos, contratação de seguros para os imóveis, entre outras tarefas.

Melhorias significativas

A ministra do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, Cândida Maria Teixeira, sublinhou que a Universidade Agostinho Neto passa a contar com uma infra-estrutura cuja magnitude a coloca entre as maiores instituições congéneres do Mundo. A nova infra-estrutura, frisou, permite incrementar o número de admissões de alunos, o número de finalistas e melhorar as condições didácticas e pedagógicas, do trabalho do corpo docente e do pessoal administrativo.
O impacto imediato da obra, acrescentou a ministra, será verificado já no próximo ano lectivo, com a realização dos exames de acesso nas referidas instalações, em que as Faculdades de Engenharia e a de Ciências absorverão cinco mil novos estudantes.
O reitor da UAN, Orlando da Mata, referiu que a inauguração do campus vai permitir absorver mais estudantes e fazer com que se transforme numa instituição de excelência.
De acordo com o reitor, a concentração das diferentes faculdades que compõem a UAN num único espaço vai permitir uma melhor racionalização dos recursos humanos, bem interligar as diferentes unidades orgânicas.

Memorando de entendimento

Na mesma ocasião, foi assinado um memorando de entendimento para a realização de estágios de licenciatura entre o Ministério do Urbanismo e Construção e o Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, representados pelos seus titulares.
O acordo visa permitir o estágio de estudantes universitários em empresas de construção civil e obras públicas. Para o efeito, o Ministério das Obras Públicas vai incluir, nos termos de contratos a adjudicar, a obrigação das empresas vencedoras dos concursos integrarem estudantes finalistas recém formados das universidades angolanas nas suas obras para beneficiarem de estágios profissionais.
A ministra do Ensino Superior e de Ciências e Tecnologia recebeu as chaves do campus universitário das mãos do ministro do Urbanismo e Construção.

Grandes benefícios

O ministro da Educação, Pinda Simão, disse em declarações à imprensa que o campus da UAN “é um projecto que traz grandes benefícios para o país e para o seu desenvolvimento. Angola está e parabéns”.
De acordo com o ministro, a UAN sempre funcionou em instalações dispersas em vários pontos da cidade de Luanda. “Aqui procurou-se concentrar a maior parte dos serviços, o que vai implicar a racionalização da utilização de recursos”, indicou o ministro.
A instituição, considerou, vai ajudar a aumentar a taxa de escolarização no ensino superior e isso pressupõe também mais oportunidades de formação de quadros em várias áreas e que são fundamentais para o país. Para Carlinhos Zassala, docente da Universidade Agostinho Neto, a inauguração do campus “foi um passo muito importante, que faz parte das reivindicações de 1998 do sindicato dos professores do Ensino Superior”.
De acordo com o docente, a UAN tem, doravante, infra-estruturas próprias e apropriadas. Isso vai permitir que a UAN atinja os objectivos de qualquer universidade que é reagrupar todas as faculdades numa única zona geográfica a fim de facilitar a mobilidade dos docentes e dos discentes e investigadores.
“É um grande orgulho para o povo angolano, principalmente para a classe académica, porque a partir de hoje vamos iniciar uma grande corrida que poderá levar, num curto espaço de tempo, a UAN a aparecer no ranking das 100 melhores universidades de África”, referiu.
O reitor da Universidade 11 de Novembro, Kianvu Tamu, que foi, durante muitos anos docente da UAN, disse que o campus é um empreendimento muito importante que vai permitir à juventude estudar em melhores condições.

Reacção da juventude
Para Sérgio Luther Rescova, deputado e primeiro secretário da JMPLA, trata-se de uma obra que deve orgulhar todos os jovens angolanos, porque representa a resposta a uma das principais necessidades da juventude actual, que é a continuidade da sua formação.
Pelo número de estudantes que as instalações vão absorver e pela qualidade de ensino que poderá ser obtida aqui, acrescentou, “temos que felicitar o Estado angolano e mostrar à juventude que está aqui aberta uma oportunidade que deve ser aproveitada por todos”.
O dirigente juvenil acrescentou que depois da independência nacional este é um dos maiores investimentos que foi feito no sector do ensino superior.
O presidente do Conselho Nacional da Juventude, Cláudio Aguiar, declarou, por sua vez, que a inauguração do campus da UAN é motivo de orgulho, porque há muito que se esperava que estivesse em pleno funcionamento.
A cerimónia foi testemunhada por membros do Executivo, deputados, representantes de partidos políticos, confissões religiosas e da sociedade civil.

Fonte: JA

DEIXE UMA RESPOSTA