Centrais Hidroeléctricas em Laúca e Caculo Cabaça

Ministro da Administração do Território presidiu ao acto central do Dia da Independência Nacional
Ministro da Administração do Território presidiu ao acto central do Dia da Independência Nacional

O Executivo vai acelerar, no próximo ano, a construção de várias infra-estruturas económicas e sociais em todo o país para impulsionar o desenvolvimento, afirmou ontem, em Ndalatando, o ministro da Administração do Território.
Bornito de Sousa, que discursava no acto central do 11 de Novembro, em representação do Presidente da República, referiu o início da construção de duas novas barragens, em Laúca e Caculo-Cabaça, que vão aumentar a capacidade do fornecimento de energia ao país e a entrada em funcionamento da do Gove para abastecer o Huambo e o Bié.
“Vamos continuar a fazer grandes obras, pelo que o Presidente José Eduardo dos Santos tem trabalhado na melhoria das condições de vida da nossa população”, frisou.
O ministro lembrou que estão em desenvolvimento dois grandes projectos de infra-estruturas, o porto de água profundas do Dande e o novo aeroporto internacional de Luanda.
Bornito de Sousa também falou do projecto, no Soyo, para produção de gás natural, o Angola LNG
O Executivo, recordou, continua a trabalhar para o crescimento económico com o objectivo de melhorar vida da população angolana e uma das prioridades é colocar os municípios no centro das atenções para combater mais eficazmente a pobreza no meio rural.

Ganhos da independência

“Foram precisos mais de 30 anos de guerra e muito sofrimento para que a paz viesse definitivamente. Hoje, todos estamos a sentir e a viver os benefícios e as vantagens da paz”, afirmou. A paz, disse, permite reforçar a democracia, estabilizar e desenvolver a economia e atender, com prioridade, as necessidades das populações”.  Desde 2002, referiu, o país viu o número de alunos subir de cerca de 2,5 milhões para mais de seis milhões e os estudantes universitários passaram de, aproximadamente, 19 mil para 150 mil.
“A formação de quadros é um dos maiores êxitos da independência nacional”, declarou.
O ministro lembrou também que aumentou significativamente o número de hospitais e de centros de saúde em todo o país e que foram construídos estradas, pontes, aeroportos, portos, caminhos-de-ferro, escolas, hospitais e estádios desportivos.
O ministro salientou também a construção de redes de infra-estruturas de tecnologia de informação e comunicação, que permitiram o desenvolvimento da telefonia celular, Internet, televisão, rádio e redes de banda larga.
Outro ganho, insistiu, tem a ver com a ascensão da mulher a cargos de decisão e de governação, no desporto, na arte e na cultura.

Desenvolvimento do Kwanza-Norte

Bornito de Sousa referiu-se, igualmente, aos ganhos registados no Kwanza-Norte, salientando a rede de estradas, os caminhos-de-ferro, a construção de hospitais, escolas, institutos médios e superiores e a preparação dos pólos industriais do Dondo e do Lucala e o agro-industrial de Camabatela, além de centros avícolas. O ministro revelou estar prevista a construção de mais de quatro mil habitações sociais em todos os municípios e recorrendo às palavras do Presidente da República no discurso sobre o Estado da Nação, sublinhou que “Angola tem um rumo”.
O ministro referiu a existência de estudos pormenorizados sobre o desenvolvimento de Angola nos próximos anos, um dos quais é a estratégia do desenvolvimento até 2025. “Angola não tem só um rumo, tem um líder esclarecido, que é o timoneiro deste grande projecto de desenvolvimento”, declarou.
“Não basta apenas dizer que Angola é rica e está a aumentar as riquezas internacionais líquidas para cerca de 20 mil milhões de dólares, é preciso que essa riqueza traga benefícios para o nosso povo e o       desenvolvimento do país”, disse. Bornito de Sousa salientou também a importância de se melhorar a rede de estradas secundárias e terciárias que ligam os municípios e as comunas, onde são produzidos os alimentos, desenvolver o turismo, a cultura e o desporto, criar condições para ocupação dos tempos livres da juventude e promover o empreendedorismo.
É preciso também, disse, melhorar a qualidade da educação, do ensino e da assistência médica, desenvolver rapidamente a construção de habitações sociais, apoiar a autoconstrução, organizar o comércio rural e criar condições para o escoamento dos produtos do campo para os centros de consumo.

Homenagem aos heróis

O ministro rendeu homenagem ao Presidente Agostinho Neto que, em 11 de Novembro de 1975, proclamou a independência de Angola, e agradeceu aos antigos combatentes e veteranos da pátria que, nos campos da guerrilha, na luta clandestina, nas prisões, na frente diplomática e no apoio logístico deram o melhor da juventude para a independência nacional.
Nesta homenagem não esqueceu Ngola Kiluange, Njinga Mbandi, Ekuikui, Mandume, Kimpa Vita.
Os ministros da Comunicação Social, Carolina Cerqueira, dos Transportes, Augusto Tomás, da Promoção da Mulher, Genoveva Lino, da Energia e Águas, Emanuela Vieira Lopes, e da Educação, Pinda Simão, deputados do ciclo provincial do Kwanza-Norte, elementos do governo provincial, magistrados judiciais e do Ministério Público, administradores municipais, entidades eclesiásticas, autoridades tradicionais e representantes dos partidos políticos, além do povo anónimo, assistiram às comemorações.

Manuel Fontoura | Ndalatando

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Rogério Tuti

DEIXE UMA RESPOSTA