Berlusconi convoca reunião extraordinária para discutir crise italiana

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi.
O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi.

Comitê de estabilidade financeira italiano fará uma reunião extraordinária nesta quarta-feira para discutir a crise econômica no país. O governo italiano apresentou na semana passada um novo pacote de reformas. Depois da Grécia, a Itália é alvo de uma alta explosiva dos juros da dívida.

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma.

A decisão do primeiro ministro George Papandreou de fazer um referendo teve repercussões imediatas na Itália. Na terça-feira, os principais títulos e ações italianas despencaram na bolsa de valores de Milão, perdendo 22 bilhões de euros. Um saldo negativo tão grave só havia sido registrado duas vezes na última década : em 2001, no ataque das Torres Gêmeas, e em 2008, na falência da Leman Brothers.

O primeiro ministro Silvio Berlusconi convocou uma reunião extraordinária com os ministros estratégicos para elaborar outras medidas de emergência para enfrentar a crise. Trata-se de uma providência que poderia incluir a venda de grandes empresas públicas. Esta seria mais uma da série de medidas anti-crise. De um lado, a Itália já aprovou um rígido plano de austeridade, mas para a Europa não foi suficiente.

No Conselho Europeu da semana passada, o governo italiano apresentou um novo pacote de reformas, mas foi só um paliativo para agonia econômica. Até agora esta terapia não curou o principal problema: a estabilidade política da Itália. Os líderes europeus pedem agora a aplicação de medidas concretas. Mas Berlusconi não deu garantias de ação imediata e os mercados financeiros não dão credibilidade às suas declarações de intenções.

O governo de Berlusconi está na corda bamba, com aliados que ameaçam abandonar o barco. O presidente da república italiana, Giorgio Napolitano, pediu que sejam tomadas providências para evitar que o país afunde. Os mercados internacionais temem um efeito dominó, pois a queda financeira da Itália pode empurrar todo o sistema euro.

 

Fonte: RFI

Foto: REUTERS/Remo Casilli

DEIXE UMA RESPOSTA