Bens alimentares para repatriados

Ajuda vai contribuir para melhorar a dieta alimenatr no centro de acolhimento de Kiowa
Ajuda vai contribuir para melhorar a dieta alimenatr no centro de acolhimento de Kiowa

A União Nacional das Associações dos Camponeses Angolanos (UNACA) entregou um donativo de bens alimentares aos angolanos repatriados da República Democrática do Congo, instalados no centro de acolhimento Kiowa, a cinco quilómetros da cidade de Mbanza Congo, província do  Zaire.
Entre os produtos entregues, num acto testemunhado pelo vice-governador do Zaire para o sector Político e Social, Rogério Eduardo Zabila, constam quantidades de repolho, cana-de-açúcar, mandioca, banana-pão, batata e abacates. Da UNACA, os repatriados receberam também 50 cobertores.
Na ocasião, a secretária provincial da UNACA no Zaire, Amélia Alice Kalassi, referiu que os produtos ofertados são fruto do trabalho dos camponeses locais que quiseram, com o gesto, juntar-se aos esforços que o Executivo desenvolve para oferecer condições de acolhimento aos compatriotas provenientes da RDC, no quadro do repatriamento voluntário e organizado.
Domingos Handa, angolano regressado da República democrática do Congo  e que tem como destino a província de Benguela, sua terra natal, agradeceu em nome dos restantes o gesto da UNACA, porque os bens vão permitir o melhoramento da dieta alimentar, durante os dias que estiverem no centro Kiowa de acolhimento. Domingos Handa está satisfeito por ter regressado a Angola e ansioso por chegar a Benguela. Pediu a outras instituições e pessoas de boa vontade para seguirem o exemplo da UNACA.
A directora provincial do Ministério da Assistência e Reinserção Social no Zaire, Madalena das Dores, afirmou que, desde o início do processo de repatriamento, várias instituições e organizações que já se solidarizaram com os repatriados, como são os casos da Fundanga e o comité provincial do MPLA.
Madalena das Dores informou que um segundo grupo de repatriados, composto por 206 pessoas, chegou este semana e à semelhança do que aconteceu com o primeiro, decorre neste momento o processo de triagem para os repatriados serem levados às áreas de destino.  A directora do MINARS no Zaire informou que os primeiros repatriados, num total de 252, já foram transportados para as suas áreas de destino e receberam jogos de panelas, baldes, catanas, enxadas, picaretas e outros meios de trabalho.
Dos 252 repatriados no primeiro grupo, 206 ficaram em Mbanza Congo, 18 foram para o Cuimba, oito para o Nzeto, igual número para Tomboco e três para a província do Uíge.

Mfitu Bernardo, 27 anos, tem como destino o município de Mbanza Congo, na província do Zaire,a  sua terra natural. Conta que foi parar à RDC, onde viveu dez anos, por motivos da guerra.  Com o ensino médio em construção civil concluído, Mfitu Bernardo espera encontrar emprego e dar o seu contributo para o desenvolvimento do país.

Victor Mayala| Mbanza Congo

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Adolfo Dumbo

 

DEIXE UMA RESPOSTA