Antes do G20, Sarkozy e Merkel pressionam premiê grego

A chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Nicolas Sarkozy, os dois principais líderes da Zona do Euro, encontram-se com o premiê grego nesta quarta-feira.
A chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Nicolas Sarkozy, os dois principais líderes da Zona do Euro, encontram-se com o premiê grego nesta quarta-feira.

Furiosos com a decisão inesperada de convocar um referendo sobre a dívida grega, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, vão colocar o premiê grego, Georges Papandréou, contra a parede hoje à noite em uma reunião fechada.

Às vésperas da abertura da cúpula do G20 em Cannes, o primeiro-ministro grego, Georges Papandréou, foi convocado às pressas para ir à França explicar a sua proposta de referendo. Os líderes europeus querem que o plano para o resgate da Grécia seja encaminhado para a aprovação no Parlamento grego o mais rapidamente possível. Papandréou também sofre com a pressão interna. Na sexta-feira, ele será submetido a um voto de confiança do parlamento, um teste complicado para o premiê, criticado até mesmo por seus aliados.

Hoje à tarde, Sarkozy e Merkel reúnem-se com os dirigentes do Conselho Europeu, da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu, e do FMI, os credores da Grécia, para avaliar o choque do referendo na zona do euro. O anúncio da consulta popular abalou a ainda frágil estratégia do G 20 (grupo das principais economias emergentes e países ricos) para resgatar a zona euro.

Sarkozy defende que os gregos respondam a uma única pergunta no referendo: se querem ou não continuar na zona do euro. Para Sarkozy, assim como para outros líderes europeus, a consulta popular não deve tocar nas medidas de austeridade. Em tom de brincadeira, a chanceler alemã declarou hoje pela manhã  que “adora os gregos quando eles são razoáveis”.

Recursos

Mas nos bastidores de Cannes já correm rumores de que se o premiê grego não reiterar os compromissos assumidos, os recursos do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia poderão não ser liberados para a Grécia.

Hoje à noite, o presidente Sarkozy tem um encontro com seu homólogo chinês Hu Jintao para tratar da crise. A China foi convidada a participar do Fundo Europeu de Estabilização Financeira, mas ainda não deu detalhes sobre a sua eventual adesão. Hu Jintao limitou-se a declarar que « deseja sinceramente a estabilidade da zona do euro » e da moeda única europeia.

 

Fonte: RFI

Foto: REUTERS/Thierry Roge

DEIXE UMA RESPOSTA