Ambiente verdadeiramente universitário para estudantes de Luanda já em 2012

Campus Universitário de Luanda
Campus Universitário de Luanda

O Campus Universitário de Luanda, inaugurado na Segunda-feira, 14, pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, vai ter a sua actividade iniciada no próximo ano lectivo com a entrada em funcionamento das faculdades de Química, Matemática, Ciências de Computação e Física.

São dois mil hectares onde ainda há muita coisa por construir, mas envoltos já num ambiente semelhante ao das grandes universidades do mundo. Para internato estão já disponíveis 108 quartos em dois dos seis edifícios previstos para albergar estudantes e dez residências T3 destinadas a docentes e investigadores.

A ministra da Ciência e do Ensino Superior, Cândida Teixeira, disse no dia da inauguração que as provas de acesso para o próximo ano lectivo serão efectuadas já no campus e que num primeiro impacto, as faculdades de engenharia e de ciências absorverão cinco mil novos estudantes. Na verdade, a ministra não especificou em quanto tempo se chegará esta cifra, já que o ministro do Urbanismo e Construção, Fernando Fonseca, na mesma ocasião, especificou que o arranque será com dois mil e duzentos estudantes.

Projecto premiado

Fernando Fonseca disse também que o projecto do Campus Universitário de Luanda tem merecido diversos elogios e o seu projecto mereceu um galardão. A infra-estrutura está concebida para receber quarenta mil estudantes, isso quando for totalmente concluída, já que se está ainda na primeira fase. A segunda fase de construção deverá arrancar já em 2012, prevendo-se a construção de faculdades como as de petróleos e de medicina, além de um hospital universitário.

Para já, a somar às salas de aulas e à biblioteca (o edifício mais alto do complexo e com arquitectura mais vistosa), estão prontos o refeitório, a reitoria e espaços para bancos e áreas comerciais. Até agora foram gastos 190 milhões de dólares para a sua edificação.

Inscrições virtuais para 2012

Na informação que prestou ao chefe de Estado e às entidades que o acompanhavam, Arlindo Isabel, o director do Centro de Informação Científica e Comunicação da Universidade Agostinho Neto, disse que a biblioteca tem cinco pisos uma sala de catalogação e espaço para duzentos usuários. Há também um centro de cópias e duas salas para Internet. Toda a biblioteca funcionará em rede, facilitando a publicação, pesquisa e troca de conhecimentos e de documentos.

Todo o software da biblioteca virtual foi e está a ser desenvolvido por estudantes da Faculdade de Ciências.

Para o próximo ano lectivo as inscrições serão feitas on line.

O sistema de numeração de alunos, que deverá ser único para todas as universidades angolanas está a ser desenvolvido pela Universidade Kimpa Vita com colaboração da UAN.

Por outro lado, o reconhecimento de diplomas estrangeiros também poderá ser solicitado on line, o que acabará por poupar tempo e facilitar a vida aos angolanos formados no exterior e que depois têm dificuldades em ver os seus certificados homologados em Angola, muitas vezes por força do extenso tempo que se perde na tramitação burocrática.

Espaço para ficar

Ainda não foram instalados os bancos na praça central do campus, mas a praça “subterrânea” no conjunto do edifício da biblioteca promete constituir-se numa âgora para concentrar muita gente, apesar de a universidade ter também ginásio e outros pontos de lazer.

A arquitectura da biblioteca é por si só chamativa, e o espaço “subterrâneo”, que é uma praça ao ar livre, mas abaixo do nível do rés-do-chão do edifício, tem no topo pontes vidradas e está relacionada com espaços para cafetaria, serviços de fotocópias e salas de estudo. Sobre as pontes estão pequenos jardins, o que confere ao edifício da biblioteca, do qual o último piso serve de miradouro sobre a cidade do Kilamba e Estádio 11 de Novembro, o estatuto de rosto, ou postal do campus. A localização do complexo está no município de Kilamba Kiaxi, mais propriamente no chamado distrito de Camama, Luanda Sul.

Para lá chegar, existem as vias que ligam Camama à Talatona, a Via Expressa Benfica Cacuaco, a Estrada de Catete e a via que liga o Estádio Universitário ao Calemba 2. Nas imediações do estádio a via está a ser alargada e o ministro do Urbanismo e Construção disse que a rede de transportes para servir o Campus Universitário está pensada para dar conforto e celeridade.

José Kaliengue
Fonte: O pais
Foto: O Pais

DEIXE UMA RESPOSTA