Alerta de agência sobre economia francesa derruba bolsas

A agência Moody's considera que as taxas altas de financiamento da dívida francesa terão consequências no crédito do país.
A agência Moody's considera que as taxas altas de financiamento da dívida francesa terão consequências no crédito do país.

Um alerta da agência de classificação de risco Moody’s sobre a França provoca nervosismo nos mercados europeus e aumenta as tensões sobre a estabilidade do euro nesta segunda-feira. A Moody’s disse que a alta recente nos juros pagos na dívida governamental francesa e as perspectivas menores de crescimento econômico podem ser fatores negativos para a nota de crédito do país.

No dia 18 de outubro, a agência já havia avisado a França que o país corre o risco de perder a sua nota, o triplo A, a melhor do mercado. Agora, a Moody’s reitera que a situação da economia francesa não evoluiu. “A persistente elevação nos custos de financiamento por um período prolongado amplificariam os desafios fiscais que o governo francês enfrenta, em meio à perspectiva de deterioração do crescimento, terão implicações de crédito negativas”, conforme o comunicado. Em outras palavras, a agência adverte que a permanência da nota da França segue em risco.

O resultado do alerta é a derrubada das bolsas europeias nesta segunda-feira. O pregão de Paris opera em baixa de -2,58%, o de Frankfurt cai 2,60 e o de Londres, 1,98%. Analistas de mercado avaliam que não se trata mais de saber se o país vai ter a nota reduzida, mas sim quando isso vai acontecer.

O presidente do Eurogrupo, Jean-Claude Juncker, reagiu com vigor à notícia, afirmando que o eventual rebaixamento da França seria “inapropriado”. Juncker avalia que, se isso acontecesse, também a nota do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira estaria em risco.

A permanência da classificação máxima foi apontada pelo presidente Nicolas Sarkozy como uma das prioridades dos seus últimos meses de governo, antes das eleições presidenciis franceses, em maio, quando ele poderá ser reeleito. Para cumprir o objetivo, foram anunciados dois planos de austeridade econômica em um intervalo de três meses.

 

Fonte: RFI

Foto: REUTERS/Mike Segar/Files

DEIXE UMA RESPOSTA