Sonangol projecta dezenas de fábricas

Zona Económica Especial Luanda-Bengo conta dentro em breve com dezenas de fábricas do sector agro-pecuário e da indústria
Zona Económica Especial Luanda-Bengo conta dentro em breve com dezenas de fábricas do sector agro-pecuário e da indústria

A Sonangol EP projectou a implantação, a médio prazo, de 73 novas fábricas vocacionadas para a produção de diverso material, na Zona Económica Especial (ZEE), estando para o efeito em busca de parcerias privadas, com vista à sua concretização.
Ao intervir no primeiro Roadshow com empresários, o presidente da Comissão Executiva da Sociedade de Investimentos Industriais (Siind), Bravo da Rosa, explicou que existem indústrias de exploração de cereais e legumes, avícola, metalomecânica, confecções, galvanização pesada, de casas pré-fabricadas, de reciclagem de resíduos, de vidros, entre outras.
A Siind, enquanto responsável pela coordenação e gestão das indústrias da Sonangol, e a própria petrolífera nacional pretendem parcerias nas vertentes de conhecimentos (know how) e tecnológica com parceiros nacionais e estrangeiros. Bravo da Rosa salientou que os empresários interessados em fazer parceria nas indústrias da Sonangol, na ZEE, devem possuir como requisitos experiência no mercado angolano e disponibilidade para transmitir conhecimentos aos técnicos nacionais.
Os interessados devem ainda ser de empresas com contas auditadas, com as obrigações fiscais em dia, e cumprir com outros pressupostos estabelecidos no Decreto Presidencial 49/11 de 9 de Março, sobre o regime jurídico da ZEE. Durante o período de perguntas e respostas, alguns empresários, entre várias outras questões, indagaram os gestores da Sonangol e da Siind se a produção das unidades fabris apresenta qualidade e sobre a viabilidade de compra de fábricas da ZEE por privados.
Em resposta, o administrador da Sonangol, Baptista Sumbe, informou que certos bens já produzidos pelas oito fábricas em operação na ZEE, mas que ainda não foram postos no mercado, podem vir a não satisfazer as exigências dos consumidores, em termos de qualidade.
“Para nos acautelarmos melhor, vamos estabelecer também parcerias com empresários aptos em nos ajudar na obtenção de produtos capazes de corresponder à concorrência do mercado e com qualidade satisfatória”, prometeu. Quanto à compra de unidades na ZEE, declarou que a construção de fábricas na ZEE é uma orientação do Executivo, através de um investimento 100 por cento da Sonangol.
Caso haja interesse na aquisição de qualquer fábrica, referiu aquele responsável, o interessado deverá estar preparado para arcar com os riscos que advêm da empreitada.

Segundo Baptista Sumbe, com o seu investimento, a Sonangol espera obter valor acrescentado com a produção dos bens e com a sua venda e caso alguém concorde em pagar já os valores projectados, a petrolífera angolana acertará com o Executivo a hipótese de venda dos empreendimentos solicitados.
A consulta a empresários serviu para, entre outros fins, ser feita a divulgação de oportunidades de emprego directo e indirecto, e promover os produtos/artigos resultantes das unidades industriais implantadas na Zona Económica Especial.
Criada em 2005 e regulada pelo Decreto Presidencial 49/11 de 9 de Março, a Zona Económica Especial localiza-se no município de Viana, 28 quilómetros a este de Luanda, comportando dois pólos, um industrial e outro comercial, centro de tecnologia e convenções, numa área de 8.300 hectares.

 

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA