Seguros de Angola bem classificados

A ENSA assume actualmente a liderança do mercado dos seguros em Angola com uma vasta gama de modalidades a preços acessíveis
A ENSA assume actualmente a liderança do mercado dos seguros em Angola com uma vasta gama de modalidades a preços acessíveis

A Empresa Nacional de Seguros e Resseguros de Angola (ENSA) foi classificada na sexta-feira, em Luanda, num total de 15 instituições, como a melhor empresa pública do ano, com uma pontuação de 60, 93 por cento, pelo seu nível de performance, indicadores económicos e financeiros e satisfação dos utentes.
O estudo, tornado público e efectuado pelo Centro de Pesquisa em Políticas Públicas e Governação Local (CPPPGL) da Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto, indica que a inovação e gestão de mudanças, traduzidos em desempenho, qualidade, expansão e profissionalismo, foram os principais factores de sucesso desta empresa.  Associam-se ainda como mérito à inovação, o comportamento e atitude dos trabalhadores, e o posicionamento no mercado.
A pesquisa, apresentada durante o Simpósio e Divulgação Pública dos Resultados do Estudo sobre as Cinco Maiores Empresas Públicas, aponta para o segundo lugar a Empresa de Distribuição de Energia de Luanda (EDEL), com 40, 26 por cento, seguida da Transportadora Aérea Nacional (TAAG) e da Endiama, com 38,78 e 38,62, respectivamente. Foi também classificado o Porto de Luanda, com 33,62 por cento, pelo seu franco crescimento, aumento do nível de capacidade e honra no quadro dos compromissos assumidos a médio prazo.
Como critérios de avaliação, foram utilizadas metodologias relacionadas com a visão estratégica empresarial, seu crescimento, rácios de desenvolvimento, posição no mercado, controlo de gestão e satisfação dos utentes. De acordo com o director do Centro de Pesquisa, Carlos Teixeira, as informações analisadas neste estudo conferem dados disponíveis que de forma voluntária e independente foram tabulados.
Disse ainda que o estudo foi efectuado apenas na província de Luanda, onde o inquérito abrangeu um total de 450 utentes dos serviços públicos. Como conclusão, dá conta que as empresas estão em reestruturação e franca recuperação e os indicadores revelam, em média, um impacto positivo das medidas tomadas, embora persista a necessidade de se melhorar os níveis de desempenho e aposta no mercado. Esta melhoria foi é traduzida no incrmento dos níveis de rentabilidade e eficácia. Concluiu-se ainda que a eficácia do sector empresarial do Estado angolano depende também de um conjunto de factores endógenos, sendo o homem o agente principal.  Assistiram ao acto, o reitor da Universidade Agostinho Neto (UAN), João da Mata, docentes e discentes de diversas faculdades públicas e privadas, além de representantes de empresas estatais e convidados.

 

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Francisco Bernardo

DEIXE UMA RESPOSTA