Protestos de indignados mobilizam 82 países neste sábado

Manifestantes diante do Banco Central Europeu, em Frankfurt, Alemanha, neste sábado.
Manifestantes diante do Banco Central Europeu, em Frankfurt, Alemanha, neste sábado.

Os “indignados” em cerca de mil cidades em 82 países no mundo todo vão às ruas hoje para protestar contra o poder do mercado financeiro e as medidas de austeridade adotadas por governos para combater a crise financeira global. O protesto global foi inspirado no movimento jovem dos indignados da Espanha e na ocupação popular de Wall Street, em Nova York.

A mobilização foi feita principalmente através de redes sociais da internet, como o Facebook e o Twitter. O primeiro protesto foi em Melbourne, Austrália, onde milhares de pessoas se reuniram no centro da cidade. Em Tóquio, a manifestação foi também contra as usinas nucleares. Nas Filipinas, diante da embaixada dos Estados Unidos em Manila, dezenas de pessoas pediam o “fim do imperialismo americano”.

Os protestos também vão varrer a Europa. A segurança foi reforçada em cidades como Londres e Atenas, palcos recentes de violência entre manifestantes e polícia. Em Paris, a praça da Bastilha vai ser o ponto de encontro de indignados.

O movimento dos indignados surgiu no primeiro semestre na Espanha, país que tem a taxa de desemprego mais alta da União Europeia – mais de 20% da população ativa e 45% entre os jovens de 18 a 25 anos. A ocupação da praça Porta do Sol, em Madri, contagiou vários países da Europa e do mundo.

Nos Estados Unidos, o movimento Occupy Wall Street foi lançado pela internet pelo coletivo Adbuster (literalmente “destruidores de propaganda”), um grupo que combate o capitalismo e os códigos da sociedade de consumo. Desde o dia 17 de setembro, o centro financeiro do mundo foi tomado por pessoas de todas as idades, que protestam pacificamente contra as consequências do capitalismo para população.

Manifestações contra o sistema financeiro mundial e contra a pobreza também estão programadas em todo o Brasil.

 

Patricia Moribe

Fonte: RFI

Fotografia: Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA