Presidente da República defende alargamento das relações com Brasil

Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos
Chefe de Estado angolano, José Eduardo dos Santos

Luanda – O Presidente da República, José Eduardo dos Santos, declarou, nesta quinta-feira, em Luanda, que a cooperação com o Brasil poder ser ainda mais alargada, bastando para tal a definição de mecanismo para que abranja outras áreas de interesse preferencial para os dois Estados.

José Eduardo dos Santos discursava no almoço oferecido no Palácio Presidencial da Cidade Alta à Presidente da República Federativa do Brasil, Dilma Roussef, que na quarta-feira iniciou uma visita de 48 horas a Angola.

Para o estadista angolano, “apesar de existir desde 23 de Junho de 2010 uma parceria estratégica entre Angola e Brasil, a nossa cooperação pode ser ainda mais alargada, bastando para tal definirem-se os mecanismos necessários para que ela abranja, para além das já existentes, outras áreas de interesse preferencial para ambos os países”.

Apontou entre as questões que adquirem maior relevância entre os dois países neste momento as definidas pelas Nações Unidas como ‘Metas do Milénio até 2015’, nomeadamente, erradicar a pobreza extrema e a fome, universalizar o ensino, valorizar o género, reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde materna, combater as grandes endemias, garantir a defesa sustentável do ambiente e criar parcerias para o desenvolvimento.

Disse que no discurso efectuou há dois dias no Parlamento, na abertura do novo Ano Legislativo, se referiu aos avanços concretos que tem sido feitos em Angola para dar resposta a todas essas preocupações.

Sublinha que todas elas dizem respeito a áreas em que já se regista uma cooperação importante com a República Federativa do Brasil,nomeadamente no domínio do ensino e da saúde, do combate à fome e à pobreza e das parcerias para o esenvolvimento, que se concentram em especial nas áreas da construção civil, da energia e da exploração mineira.

O Chefe de Estado angolano afirmou que continua a existir um mundo de potencialidades e de oportunidades a explorar, com benefícios mútuos.

Considera que a visita da homóloga brasileira é uma ocasião soberana para passar em revista os acordos que  ligam os dois países desde 1980 e também para perspectivarmos o relançamento da nossa cooperação económica, técnico-científica e cultural.

O Presidente José Eduardo acredita que a cooperação económica, financeira, comercial e de desenvolvimento permitiria visar a prazo a integração produtiva das nossas duas economias e a sua melhor inserção competitiva ao nível internacional.

Afirmou que a visita demonstra que os dois Estados continuam a cultivar os laços fraternos e de amizade que unem os dois povos irmãos e é mais uma confirmação da importância concedida as relações bilaterais.

Fonte: Angop

Foto: Angop

DEIXE UMA RESPOSTA