Presidenciais na Argentina animadas por Juan Perón

Cristina Fernandes Kirchner
Cristina Fernandes Kirchner

A imagem de Juan Domingo Perón, três vezes presidente da Argentina, e da mulher, Eva Perón, em cartazes governamentais, circula sobre a apática campanha eleitoral, pois as diferentes famílias peronistas exploram a imagem do casal. A marcha peronista, assim como a imagem de Perón e de Evita, faz parte do folclore político argentino, mas em vésperas das eleições do dia 23, ambas as figuras são usadas pela campanha governamental da Frente Para Vitória (FPV), liderada pela actual Presidente e candidata à reeleição, Cristina Fernandez de Kirchner, e também pelos “peronistas dissidentes”.
“Cristina, favorita nas pesquisas eleitorais, soube reposicionar a imagem do general Perón (1946-1955/1973-1974) e de Evita, com citações, homenagens e programas de Governo que reivindicam os tradicionais ideais peronistas”, disse Lorenzo Pepe, secretário-geral do Instituto Juan Domingo Perón, à agência de notícias Efe.
“Todos os candidatos peronistas recorrem à figura de Evita e Perón. O peronismo permaneceu na memória colectiva dos argentinos. Mas, Cristina Kirchner é quem mais expressa essas ideias do movimento”, afirmou Pepe.
Desde Agosto, dois imponentes retratos de Evita, similares à imagem de Che Guevara na Praça da Revolução, em Cuba, estão estampados nas fachadas do prédio dos Ministérios de Desenvolvimento Social e de Saúde.
Os rostos de Evita e Perón aparecem nos cartazes da coligação FPV, provocando a rejeição dos peronistas dissidentes, que também costumam usar a imagem dos ícones da política argentina.
“Evita foi uma mulher que significou muito, não só por representar a entrada das mulheres na política argentina, como por protagonizar a revolução social mais importante do país”, disse a Presidente Cristina. Evita, frisou, foi importante por assumir a representação do povo e da pátria com mais paixão e amor do que ninguém.
A oposição também se manifesta peronista. “Venho para levantar a bandeira de Perón. Na sua época, tínhamos uma verdadeira igualdade de oportunidades”, afirmou, num comício, o ex-Presidente e candidato presidencial Eduardo Duhalde (2002-2003), dirigente do peronismo dissidente. A campanha eleitoral mantém-se bastante animada com os candidatos a procurarem o máximo proveito.

 

Fonte: Jornal de Angola

 

Foto: Reuters/uk

DEIXE UMA RESPOSTA