Ler Agora:
Polícia Nacional garante combate cerrado à exploração e venda ilegal de diamantes
Artigo completo 4 minutos de leitura

Polícia Nacional garante combate cerrado à exploração e venda ilegal de diamantes

Forças da ordem realizam operações de desmantelamento de grupos de traficantes

O comissário-geral da Polícia Nacional garantiu, no sábado, no Cuito, que as forças da ordem vão continuar a trabalhar para combater a exploração e comercialização ilegal de diamantes praticada principalmente por estrangeiros de várias nacionalidades.
Ambrósio de Lemos, que falava numa conferência de imprensa, afirmou que, no Bié, a maior concentração destes estrangeiros é vista nas comunas da Lúbia e Dando, no município da Nhârea, e Kassimbi, no Andulo, onde os garimpeiros conseguem lucros fáceis com a exploração e comercialização ilícita de diamantes.
O comissário geral da Polícia Nacional garantiu que os efectivos têm realizado operações constantemente para deter essas pessoas e apreendido material de exploração que elas usam.
Ambrósio de Lemos disse que o Bié, a exemplo de outras províncias, não tem escapado a este flagelo, pelo que se impõe maior atenção para se evitar a permanência dos estrangeiros ilegais.
Entre as várias actividades ilícitas praticadas por estrangeiros estão o tráfico de drogas, de seres humanos, exploração e compra de diamantes e branqueamentos de capitais. “Sejamos todos vigilantes pois os grupos que tentam infiltrar-se no país de forma ilegal nada contribuem para o desenvolvimento da economia nacional”, recordou.
Ambrósio de Lemos referiu que os estrangeiros que estão em Angola para participar legalmente na reconstrução do país e contribuírem para o crescimento económico são sempre bem recebidos.
O comandante-geral da PN pediu aos efectivos que não se deixem subornar por indivíduos que insistem em entrar e permanecer ilegalmente em território nacional.

Na província do Bié, além do município da Nhârea e do Andulo, a Polícia Nacional tem realizado acções nos municípios diamantíferos do Cuemba, Chitembo e Camacupa.

Infra-estruturas

O comandante-geral da Polícia Nacional (PN), comissário-geral Ambrósio de Lemos, elogiou no sábado, na cidade do Cuito, o esforço que o governo do Bié tem envidado para a recuperação das infra-estruturas policiais.
O chefe máximo da PN que falava aos órgãos de comunicação social locais, no final de uma visita de dois dias ao Bié, onde verificou o funcionamento do sector na província, justificou o elogio salientando a dedicação do governo do Bié em garantir melhores condições de trabalhos aos efectivos.
“Das infra-estruturas policiais que visitámos e através de outras informações que recebemos dos responsáveis da corporação, notamos que as condições de trabalho de algumas áreas melhoraram consideravelmente”, reconheceu.
No entanto, admitiu que ainda há muito trabalho para realizar na província, tendo em conta o grau de destruição que sofreu durante o conflito armado, acrescentando que paulatinamente a situação será alterada. Por isso, encorajou o governo local a continuar com o mesmo dinamismo, de forma a contribuir para o desenvolvimento acelerado da província, que tanto sofreu as amarguras dos conflitos armados.
Ambrósio de Lemos apelou aos seus efectivos no sentido de preservarem as infra-estruturas policiais construídas e reabilitados, para que as mesmas possam durar mais tempo, visto que custaram muito dinheiro ao Estado.
No quadro da visita que efectua à província do Bié, o comandante-geral da Polícia Nacional manteve encontros com o governador Boavida Neto, com o bispo da Diocese do Bié, D. José Nambi, e com os secretários provincial das Igrejas Evangélica Congregacional em Angola (IECA) e Evangélica dos Irmãos em Angola (IEIA), Feliciano Antunes e Bernardo Capeio, respectivamente.
Visitou a unidade da polícia de trânsito, a casa de passagem, a residencial protocolar do comandante, onde funciona o Comando Municipal da Polícia Nacional do Cuito, o Posto de Comando, a Direcção Provincial de Investigação Criminal, os Serviços de Migração e Estrangeiros, os Serviços Prisionais, a Polícia Fiscal e a Unidade Operativa.

 

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Santos Pedro

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »