Palma defende a criação de uma liga profissional

Treinador do 1º de Agosto dá conselhos
Treinador do 1º de Agosto dá conselhos

A criação de uma Liga Profissional de Clubes permite à Federação Angolana da modalidade, dedicar-se mais aos escalões de formação e às selecções nacionais, defende Mário Palma, técnico da equipa de seniores masculinos de basquetebol do 1º de Agosto.
Para o antigo técnico da Selecção Nacional a criação da Liga Profissional dá mais tempo à direcção da Federação para se dedicar à formação de treinadores e melhorar a qualidade nos escalões de formação.
O treinador mais titulado de todos os tempos da bola ao cesto nacional, diz que este passo é importante porque possibilita desafogar financeiramente a Federação Angolana de Basquetebol para outros compromissos. Mário Palma também defende que os custos das provas devem suportados parcialmente pelos clubes.
“Com a Liga Profissional de Clubes a ficava mais liberta para outros investimentos. Porque o dinheiro que é gasto na organização de campeonatos servia para investir na formação de treinadores, nos escalões de formação e nas selecções nacionais”, disse o treinador.
O líder técnico dos militares do Rio Seco, que regressa ao basquetebol angolano cinco anos depois, defendeu o envio de um técnico para cada província, com o propósito de contribuir para a formação de futuros jogadores.
“Temos bons treinadores, mas poucos. Penso que precisamos de mais. Na minha opinião, os melhores deviam estar, pelo menos um em cada província para trabalharem na base. É fundamental fazer um trabalho convincente neste escalão. Os jogadores têm de chegar a seniores já formados”, explicou.
Mário Palma garantiu ter visto já alguns jogadores bons, pertencentes a clubes modestos.

Anaximandro Magalhães

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Kindala Manuel

DEIXE UMA RESPOSTA