Operadoras desminam hectares destinados à construção de fogos

Centenas de minas foram retiradas e destruídas em áreas destinada à agricultura
Centenas de minas foram retiradas e destruídas em áreas destinada à agricultura

Cento e sessenta e quatro hectares destinados à construção de mil fogos habitacionais, no município do Andulo, província do Bié, foram desminados este ano pelo Instituto Nacional de Desminagem (INAD), em parceria com a brigada de engenharia das Forças Armadas Angolanas (FAA).
Durante o trabalho de desminagem, foram desactivadas três minas anti-pessoal, duas minas anti-tanque e 53 engenhos explosivos de calibre diverso não detonados, 35 morteiros de 60 mm, sete de 80 mm, seis lança granada do tipo RPJ-7, igual número de metralhadoras anti-aéreas ZU-23 e sete de 82 mm.
As referidas reservas fundiárias situam-se na localidade de Cambádua, arredores da sede municipal e estão já livres. A partir de agora, a empresa Kora Angola pode arrancar com o projecto de construção do projecto de 100 fogos habitacionais, no quadro do Programa Nacional de Urbanismo e Habitação.
Ainda no Andulo, a ONG britânica “The Hallo Tust” desminou uma área de 41.918 metros quadrados de terras aráveis.
A área destinada à agricultura, localiza-se nas margens do rio Cutato e durante os trabalhos de desminagem foram removidas e destruídas 296 minas anti-pessoal e um obus de morteiro de 60 mm.
A entrega oficial das referidas áreas aconteceu na passada sexta-feira, em cerimónia oficial presenciada pelos membros da administração municipal do Andulo, autoridades tradicionais, entidades religiosas, elementos do Comando Municipal da Polícia Nacional, das Forças Armadas Angolanas, do INAD, da “The Hallo Trust”, da empresa Kora Angola e populares.
Na ocasião, a administradora municipal do Andulo, Maria Lúcia Ganja Chicapa, enalteceu o esforço e a dedicação das operadoras de desminagem nas referidas áreas, pois vão servir para o melhoramento das condições habitacionais.

 

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA