Início das exportações no LNG Angola

O cenário da queima de gás na produção de petróleo passa a dar lugar a lucrativo negócio de exportação desse carburante
O cenário da queima de gás na produção de petróleo passa a dar lugar a lucrativo negócio de exportação desse carburante

Angola vai iniciar em 2012 a exportação de gás natural para os Estados Unidos da América, com o arranque da primeira unidade de processamento de gás natural liquefeito no país, disse o director-geral do projecto Angola LNG, Daniel Rocha.
Em declarações terça-feira à Rádio Nacional de Angola, Daniel Rocha disse ainda que a exportação de grande parte da produção de gás natural começa no primeiro trimestre de 2012, numa primeira fase para os Estados Unidos da América.
O director-geral do projecto Angola LNG adiantou que a empresa está a estudar a exportação de gás natural para outros mercados, nomeadamente para a Europa e a Ásia, onde, disse, “se poderão obter margens de lucro maiores”.
Nas últimas declarações públicas sobre o projecto, em Março, o director-geral do Angola LNG havia afirmado que o projecto estava na sua fase final estando o início das operações previsto para Novembro deste ano.
Daniel Rocha afirmou, naquela altura, que os trabalhos de construção da unidade de processamento de gás natural estavam bastante avançados, faltando apenas a instalação do gerador, do compressor e a parte da refrigeração. O director do projecto afirmou ainda que no mês de Novembro devia iniciar-se o processamento do gás e que entre os próximos  meses de Janeiro e Fevereiro de 2012 chegava o primeiro navio de transporte de gás natural, cuja comercialização começava em Março seguinte.
O projecto do gás natural liquefeito vai fazer com que Angola entre no clube restrito dos países que produzem gás natural, depois de um investimento que está estimado em nove mil milhões de dólares, a fim de aproveitar o gás que é libertado e queimado no processo de exploração petrolífera.
A unidade de processamento da empresa LNG Angola tem uma capacidade de produção estimada em 5,2 milhões de toneladas por ano, o equivalente a cerca de 200 mil barris de petróleo por dia.

O projecto é uma parceria entre as maiores empresas de produção petrolífera a operar em Angola, a norte-americana Chevron, com uma participação de 36,4 por cento, seguida pela Sonangol com 22,8 por cento, a inglesa BP, a francesa Total e a italiana ENI com um investimento de 13,6 por cento cada.
O projecto Angola LNG está localizado a oeste da vila do Soyo, entre o rio Zaire e a base do Kwanda, e vai ocupar uma área aproximada de 240 hectares.

 

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Jornal de Angola

DEIXE UMA RESPOSTA