Hillary Clinton lança séria advertência sobre a presença de talibã no Paquistão

A secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton lançou ontem uma séria advertência ao Paquistão sobre a presença de facções talibã, como a rede Haqqani, mas disse respeitar a soberania do país asiático.
“Não se pode ter cobras no quintal e esperar que só mordam os nossos vizinhos”, disse Hillary em conferência de imprensa em Islamabad. Com a afirmação, quis também responder ao chefe do Exército paquistanês,  Ashfaq Parvez Kayani, que advertira os Estados Unidos sobre uma eventual operação anti-talibã no seu território, afirmando que o Paquistão não era o Iraque, nem o Afeganistão.
O Governo do Paquistão pediu à secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, em visita oficial a Islamabad, “uma oportunidade para a paz” no Afeganistão, em alusão ao diálogo com os talibã.
Segundo um comunicado oficial paquistanês, o pedido foi feito pelo primeiro-ministro Yusuf Razá Guilani, numa conversa tida com Hillary Clinton pouco depois da chegada da secretária de Estado americana  a Islamabad.
Kayani declarou que os EUA “devem pensar dez vezes” antes de lançarem uma ofensiva unilateral sobre a região tribal do Waziristão do Norte, enquanto Hillary disse que tinha discutido com as autoridades paquistanesas a maneira de “espremer” essa facção dos dois lados da fronteira.
“Estamos a aumentar a pressão sobre os talibã do outro lado da fronteira e queremos que o Paquistão dê passos no sentido de recusar refúgio aos talibã e obrigá-los a negociar”, resumiu.
A delegação americana, composta pelo chefe dos serviços secretos (CIA), David Petraeus, e chefe de Estado-Maior Conjunto, Martin Dempsey, chegou à capital do Paquistão com a intenção de convencer os líderes do país a actuarem contra a rede Haqqani, instalada na região tribal paquistanesa do Wazaristão do Norte, na fronteira com o Afeganistão.

Relações 

Hillary e outros funcionários dos Estados Unidos já tinham lançado, na quinta-feira, um forte alerta ao Paquistão para que rompa os seus supostos vínculos com grupos de militantes fundamentalistas, um assunto que tem perturbado as complexas relações entre os dois aliados.
Em conferência de imprensa, Hillary e a ministra das Relações Exteriores do Paquistão, Hina Rabbani Khar, reconheceram que as relações entre os seus países não estão no seus melhores momentos.

 

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: AFP

DEIXE UMA RESPOSTA