Executivo garante promoção de conhecimentos científicos

Secretário de Estado para a Ciência e Tecnologia, João Teta
Secretário de Estado para a Ciência e Tecnologia, João Teta

Luanda – O secretário de Estado para Ciência e Tecnologia, João Teta, afirmou nesta segunda-feira, em Luanda, que o Executivo tem, entre outros objectivos, garantir a promoção e divulgação científica e elevar o nível de conhecimento das populações.

Ao intervir no acto de abertura do seminário sobre Jornalismo Científico, organizado pelo Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, disse que o Executivo tem trabalhado para propiciar a formação de jornalistas que tenham uma visão mais abrangente em termos de perceber as várias e novas determinações da evolução científica e tecnológica.

Referiu que a descodificação do discurso científico pelo público leigo é ainda um obstáculo a ser vencido, particularmente nos países emergentes, em que o analfabetismo científico aprofunda-se, dada a velocidade que aparecem novos factos, conceitos e processos são trazidos a público.

“Estes novos factos podem aparecer em áreas como a genética humana, astrofísica, biotecnologia, ciências da computação, conservação do ambiente e a segurança alimentar, entre outros”, acrescentou.

Explicou, por outro lado, que o objectivo do encontro é elevar o nível de conhecimentos científicos e tecnológicos da população, através da partilha e divulgação de informações sobre actividades e alcance científicos e técnicos, através dos meios de comunicação de massa.

“As relações entre ciência/tecnologia e sociedade, permeadas por uma rede complexa de interesses e compromissos, exigem uma nova postura do jornalismo científico, agora mais comprometido com uma perspectiva crítica do processo de produção e divulgação da ciência e tecnologia”, acrescentou.

“Não se pode ignorar aqueles aspectos fundamentais da comunicação científica, que têm contribuído para reduzir a sua eficácia. A relação entre cientistas e jornalistas, amplamente explorada nos congressos e conferências de jornalismo cientifico, deve continuar numa sintonia plena, evitando conflitos pela incidência de interesses extra-científicos, que se localizam tanto na produção da ciência e da tecnologia, quanto na produção das notícias”, expressou.

Participaram no encontro o vice-reitor da Universidade Independente de Angola, Filipe Zau, o director nacional do Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, Domingos Neto, profissionais de comunicação social, docentes e discentes.

Fonte: Angop

Foto: Angop

DEIXE UMA RESPOSTA