Combate ao terrorismo com as Forças Armadas

Tropas de elite durante a cerimónia que marcou o vigésimo aniversário da proclamação das Forças Armadas
Tropas de elite durante a cerimónia que marcou o vigésimo aniversário da proclamação das Forças Armadas

As Forças Armadas Angolanas (FAA) estão num processo de reformulação que visa preparar os efectivos para responder às ameaças actuais, como a imigração ilegal, o narcotráfico e o terrorismo internacional, disse ontem, no Bengo, o ministro da Defesa Nacional.
Cândido Van-Dúnem, que discursou por ocasião do 20º aniversário das FAA, no comando da 70ª Brigada de Infantaria Motorizada, na localidade do Vale do Paraíso, disse que a reformulação implica a renovação dos efectivos e a melhoria das condições técnicas e de alojamento.
O ministro afirmou que, na nova conjuntura e no cumprimento das directrizes do Comandante-em-Chefe, as FAA têm pautado a sua conduta pela elevação dos níveis de eficiência, com resultados positivos no resgate dos valores morais e cívicos e na construção e reconstrução de infra-estruturas para o desenvolvimento do país.
Cândido Van-Dúnem destacou, ainda, a participação na desminagem das principais vias de acesso e das áreas destinadas à agricultura e à construção de casas sociais, a reabilitação de caminhos-de-ferro e pontes. A escolha da localidade do Vale do Paraíso para o acto central do dia das Forças Armadas Angolanas não foi por acaso. “Ainda está vivo na memória dos angolanos o valor histórico deste território, que foi a primeira região político-militar, onde se desenvolveu a luta de libertação nacional”. Além da salvaguarda da independência e da soberania nacional, disse o ministro, as Forças Armadas Angolanas estão também empenhados em compromissos internacionais no quadro da SADC, dos PALOP e da CPLP. Cândido Van-Dúnem explicou que a criação das Forças Armadas Angolanas foi resultado do esforço de angolanos conscientes e determinados em conquistar a paz.
“A data que hoje celebramos reveste-se de grande importância, pois define uma etapa do nosso passado recente”, disse o ministro, encorajando a nova geração de militares a preservar a tradição que “as FAA granjearam com muito sacrifício, com a perda de muitas vidas, seguindo fielmente as ordens do comandante-em-chefe e Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos”.

Nova unidade militar

A inauguração da unidade do primeiro batalhão da 70ª Brigada de Infantaria Motorizada, localizada na província do Bengo, um desfile militar e um espectáculo musical marcaram o acto central do 20º aniversário das FAA. A unidade militar, inaugurada pelo ministro da Defesa Nacional, Cândido Van-Dúnem, tem capacidade para albergar 600 efectivos.
O acto central foi marcado pelo desfile das tropas dos três ramos das Forças Armadas, ao som da banda do Exército. A actividade foi concluída com um espectáculo musical com os músicos Calabeto, Margareth do Rosário, António Paulino, Nagrelha, Noite e Dia e outros.   A criação das Forças Armadas Angolanas resultou da fusão das antigas Forças Armadas Populares de Libertação de Angola (FAPLA) e das extintas Forças Armadas de Libertação de Angola (FALA), vinculadas à UNITA, na época uma organização militarizada.
A 9 de Outubro de 1991 foi dado o primeiro passo para a criação e consolidação do Exército Nacional único, no quadro dos acordos de Bicesse, rubricados em Portugal entre o Governo angolano e representantes da UNITA.

 

Alfredo Ferreira *| Vale do Paraíso

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: Edmundo Eucilio

DEIXE UMA RESPOSTA