Alemanha devolve à Namíbia crânios de pessoas mortas na guerra colonial

Cerimónia de devolução das ossadas ficou marcada pelo abandono da representante alemã depois de ser apupada pelo público
Cerimónia de devolução das ossadas ficou marcada pelo abandono da representante alemã depois de ser apupada pelo público

A Faculdade de Medicina de Berlim (Charité) devolveu na semana passada à Namíbia 20 crânios de pessoas mortas na guerra colonial que a Alemanha conduziu, de 1904 a 1908, contra duas tribos daquele país.
Os crânios tinham sido levados para Berlim e entregues a projectos de “investigação racial”. A ministra alemã Cornelia Pieper, presente à cerimónia, foi vigorosamente apupada e abandonou o local sem ouvir o discurso do ministro namibiano presente.
O país europeu pode ter matado cerca de 75 mil namibianos durante os quatro anos de guerra, o que muitos historiadores chamam de o primeiro genocídio do século XX.
Tudo começou mal na preparação da cerimónia de devolução, porque o Governo da chanceler  Angela Merkel não quis comprometer-se e manteve sempre, desde o início, que os macabros despojos de guerra colonial estavam a ser devolvidos, não pelo Estado alemão, mas pela Charité.
O Auswärtiges Amt (Ministério dos Negócios Estrangeiros) também afirmara, dias antes do acto de entrega dos 20 crânios, que o anfitrião da cerimónia não seria ele próprio e sim a instituição universitária. A delegação do Governo namibiano não escondeu que se sentia despromovida pela esquiva, algo grosseira, da diplomacia germânica. A deputada namibiana KLatuutire Kaura, membro da delegação, chegou a afirmar, em tom de desabafo, que “o Governo alemão ignora-nos completamente”.
Depois, havia que decidir também quem assinava a acta de entrega dos crânios. E, como não se deu luz verde a nenhum membro do Governo alemão para produzir a sua assinatura, nem à discursante Cornelia Pieper, a delegação do Governo namibiana decidiu que também não faria assinar essa acta pelo ministro namibiano ido à Alemanha para o efeito. Restou fazer assiná-la do lado alemão por um membro da direcção da Charité e do lado namibiano por uma representante do Conselho para o Património Nacional.
E chegou-se depois à cerimónia da entrega, sem que se endireitasse aquilo que tinha nascido torto. Com a memória bem presente dos crimes de guerra alemães, cometidos contra as tribos revoltadas dos Herero e dos Nama, a ministra ­Cornelia Pieper dirigiu-se à delegação do Governo namibiano dizendo, segundo citação do Der Spiegel: “Em nome do Governo Federal, peço-vos conciliação”.

Para a delegação e para parte do público que com ela simpatizava, conciliação é algo que se procura numa guerra com responsabilidades mais ou menos partilhadas. Mas o Estado alemão, sucessor do Império dos Hohenzollern, deveria pedir desculpas por uma guerra colonial genocida. E isso foi exigido à ministra Pieper.Bem ciente de que a exigência de um pedido de desculpas tem um sólido fundamento histórico, Pieper procurou satisfazê-la, mas com o subterfúgio de apenas se pronunciar em nome pessoal: “Quero também manifestar-vos a título muito pessoal a minha pena e vergonha”. E acrescentou que evocava as pessoas mortas com “grande respeito”. Para uma parte do público, essa era uma manobra indigna de alguém que deveria falar em nome do seu Governo. Daí que Pieper fosse apupada e, agravando mais ainda a gaffe cometida contra a delegação namibiana, abandonasse o local sem ouvir o discurso do ministro namibiano. O governo da Namíbia fez a solicitação para a devolução dos crânios em 2008, mas foram precisos três anos para o Museu da História da Medicina de Berlim identificar o material.

Fonte: Jornal de Angola

Fotografia: AFP

DEIXE UMA RESPOSTA